Estudo para encontro de homens, mulheres e jovens. Tema: A graça de Deus

warren-wong-277326-unsplash-1-1024x683

A GRAÇA DE DEUS

TEXTO BASE: Efésios 2.8-10

O filho pródigo foi embora por direito, mas voltou pela graça.

Graça é benevolência; é a boa vontade de Deus para conosco, sem obrigação de Sua parte nem méritos da nossa. É o favor imerecido.

Quando Adão e Eva pecaram, veio o castigo. Entretanto a graça se manifestou na promessa de um descendente para esmagar o inimigo e quando, num gesto inesperado de carinho, Deus fez roupas de pele para o casal (Gn 3).

Logo depois, o pecado se multiplicou, provocando a ira divina. “Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor” (Gn 6.8). Essa benevolência se consumou na salvação por meio da arca.

Antes que Sodoma fosse destruída, o favor divino se revelou na visita dos anjos que retiraram Ló da cidade (Gn 19).

Pela graça, Israel foi liberto do Egito. Mais tarde, o pecado fez com que fossem levados cativos para a Babilônia, mas a graça se manifestou mais uma vez, quando o remanescente voltou à Terra Prometida (Ed 9.8).

No Novo Testamento, a graça está personificada no Messias: “A lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo” (João 1.17). “Em quem temos a redenção pelo Seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da Sua graça” (Ef 1.7). “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens” (Tito 2.11).

A morte de Jesus encerrou a dispensação da lei mosaica e iniciou um tempo especial da graça, que pode ser visto como a porta da salvação, aberta até que Jesus volte. Contudo essa oportunidade é fechada para cada indivíduo no momento de sua morte.

A salvação não pode ser conquistada pelo homem, mas recebida gratuitamente (Rm 6.23; At 15.11). “Para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da Sua graça pela Sua benignidade para conosco em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.7-9). A graça dá; a fé recebe. Em todas as citadas manifestações da bondade divina durante a história bíblica, havia possibilidade de rejeição por parte do homem.

A graça não é automática em seus efeitos, pois, se assim fosse, toda a humanidade seria salva. Ela é extensiva a todos os homens (Rm 5.18), mas muitos a rejeitam. É necessário que haja uma resposta humana positiva, recebendo Jesus Cristo como salvador (João 1.11-12; Rm 10.9). Sem isso, a graça torna-se inútil para o indivíduo.

“E nós, cooperando também com ele, vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão. Porque diz: Ouvi-te em tempo aceitável E socorri-te no dia da salvação; Eis aqui agora o tempo aceitável, eis aqui agora o dia da salvação” (2Co 6.1-2).

Nada há que possamos fazer para comprar ou conquistar uma só bênção. Orações e jejuns são formas de manifestarmos nosso desejo, mas Deus só nos atende pela graça. Não é razoável que alguém se apresente ao Senhor para exigir direitos ou estabelecer condições.

Também não podemos confundir a graça de Deus com aprovação ao pecado. É o que muitos têm feito, supondo que seus erros serão simplesmente desconsiderados. Não é assim. A graça não dispensa o arrependimento, o pedido de perdão e a mudança de vida, mas dispensa pagamentos, penitências, indulgências, compensações e sacrifícios expiatórios, pois a morte de Cristo foi suficiente nesse sentido.

Judas, irmão de Tiago, advertiu acerca dos falsos mestres, dizendo: “Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus” (Jd 4). A graça não significa licença para pecar, mas a disposição divina para receber o pecador arrependido.

A mesma deturpação foi percebida por Paulo, que disse: “Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde? De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele”? (Rm 6.1-2).

Em vez de permanecermos no pecado, devemos permanecer na graça (Gl 5.4), ou seja, permanecer no caminho do Senhor, buscando a santificação e deixando de lado a autoconfiança, sabendo que dependemos de Deus a cada instante.

“E, despedida a sinagoga, muitos dos judeus e dos prosélitos religiosos seguiram Paulo e Barnabé; os quais, falando-lhes, os exortavam a que permanecessem na graça de Deus” (At 13.43). Permanecer na graça é como ficar na arca até que o dilúvio termine. Quem não permanece na graça cai no juízo.

Queremos tantas coisas do Senhor, mas precisamos reconhecer que a Sua graça é suficiente, pois sem ela estaríamos destruídos. Além disso, o que vier é lucro.

“E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2Co 12.9).

“A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém” (Ap 22.21).

Anúncios

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s