06.03.2016. Estudo EBD: Expondo o livro de Gênesis – Capitulo 28-29

 Expondo o livro de Gênesis – Capitulo 28-29

I.             A Aventura (28:1-9)

Com correção, podemos dizer que o resto de Gênesis apresenta a vida de Jacó, mesmo suas provações com Labão (28—31), com Esaú (32—33) e com seus filhos (34ss). Na verda­de, a história de José faz parte da história de Jacó.

O verdadeiro motivo por que Rebeca engendrou a partida de Jacó foi para evitar a ira de Esaú (27:41- 46), mas sua desculpa para isso foi que queria que Jacó encontrasse uma esposa piedosa (veja 24:1-9). As esposas mundanas de Esaú cau­savam problemas na casa, como sempre acontece quando o povo de Deus casa em desacordo com a vontade de Deus. Na verdade, Re­beca planejava fazer com que Jacó voltasse quando fosse o momento certo (27:45), mas esse plano não deu certo. Jacó nunca mais viu sua mãe de novo. Mais uma vez, “fé é viver sem esquemas”. Todos preci­samos prestar atenção a essa adver­tência de Tiago 4:13-17.

É maravilhoso quando o filho pode deixar a casa com a bênção do pai! Contudo, Jacó não podia contar com a fé de seu pai. Ele pre­cisava encontrar Deus e tomar algu­mas decisões por si mesmo, lnfelizmente, Jacó pagou caro por sua in­credulidade e rebelião e levou mais de 20 anos para chegar ao ponto de se entregar verdadeiramente! Os versículos 6-9 ilustram o conflito da carne e do Espírito. Esaú (a carne) desobedeceu deliberadamente ao Senhor e trouxe sofrimentos maiores para a família.

Observe que Jacó não era um jovem quando iniciou essa aventura. Ele tinha, no mínimo, 77 anos. Gênesis 47:9 afirma que Jacó tinha 130 anos quando foi para o Egito. José tinha 1 7 anos quando foi vendido no Egito, e 30 anos quan­do foi apresentado ao faraó (41:46). Assim, some os 13 anos em que José foi servo aos 7 anos de abundância e aos 2 anos de escassez e verá que José tinha cerca de 39 anos quando Jacó foi para o Egito. Isso significa que Jacó tinha 91 anos quando José nasceu, e Gênesis 30:25 relata que Jacó já cumprira os 14 anos de ser­viço por suas esposas quando José nasceu. Isso indica que Jacó tinha cerca de 77 anos quando começou a caminhar “por si mesmo”.

 

II.            A visão (28:10-12)

Jacó viajou cerca de 11 quilômetros de Berseba a Betel, jornada de três dias. Naquela noite, ele recostou-se em “uma das pedras” para dormir, e Deus deu-lhe uma visão de uma escada que ia do céu à terra. No Novo Testamento, a passagem de João 1:43-51 é a explicação desse versículo. A escada simboliza Jesus Cristo. Jacó é o retrato perfeito da alma perdida — na escuridão, em fuga para proteger sua vida, longe da casa do pai, oprimido pelo pecado e desconhecedor do fato de que Deus está próximo dele e quer salvá-lo.

Aescada retrata Cristo como o úni­co caminho da terra para o céu. Ele abre o céu para nós e traz bênçãos celestiais para nossa vida. E apenas ele pode levar-nos para o céu. Jacó pensava que estava solitário em um deserto e deu-se conta de que estava no próprio portão do céu! Ainda em relação a João 1:43-51, observamos que Jacó era um israelita cheio de fraude (logro), enquanto Natanael era um israelita sem fraude.

Essa é a primeira de pelo menos sete revelações de Deus para Jacó (veja 31:3,11-13; 32:1-2; 32:24-30; 35:1,9-13; 46:1-4). Os anjos na es­cada são uma indicação do cuidado e da atenção de Deus. Eles apare­cem de novo a fim de proteger Jacó, quando ele está para enfrentar Esaú (32:1-2).

 

III.           A voz (28:13-15)

As visões, quando separadas da Pala­vra de Deus, podem ser enganosas; assim, Deus falou a fim de inspirar-lhe confiança. Anjos ou visões não salvam a pessoa, mas a fé na Palavra de Deus. Observe a promessa que Deus fez a Jacó:

A.           A terra (v. 13)

Primeiro, ele fez essa promessa a Abraão (13:14ss) e reafirmou-a a Jacó (26:1-5). A terra santa pertence aos judeus, embora eles não possuam toda ela. Um dia, Israel possuirá “as suas herdades” (Ob 17).

B.            A semente se multiplicaria (v: 14)

Isso assegurou a Jacó que Deus lhe daria uma esposa; de outra forma, ele não poderia ter descendentes (veja também 13:16 e 22:1 7). Hoje, há judeus em todos os pontos da terra.

C.            A presença pessoal de Deus (v. 15)

Esse versículo sugere que Jacó perambularia, mas Deus prometeu es­tar com ele. Por quê? Porque Deus tinha um plano para a vida de Jacó e, assim, cuidaria para que seu pla­no se cumprisse (Fp 1:6; Rm 8:28- 29). Embora Jacó, nos difíceis anos que tinha à frente, tivesse de colher as consequências de seus pecados, Deus ainda estava com ele para protegê-Io e abençoá-lo.

 

IV.          O voto (28:16-22)

Jacó exclama: “É a Casa de Deus”, pois “Betel” significa “casa de Deus”. A experiência que teve na­quela noite não apenas mudou-o, mas também mudou o nome do lo­cal em que dormiu. Jacó, para co­memorar o acontecimento, erigiu uma coluna e transformou-a em altar, despejando uma oferenda lí­quida ao Senhor. Anos mais tarde, Jacó, quando voltou a Betei, repe­tiu esse ato de consagração (35:9- 15). Esse ato de fé (embora causa­do pelo temor), era a forma de Jacó oferecer-se a Deus. (Veja Fp 2:17, em que “oferecer” é literalmente “libação”.) É algo maravilhoso o fato de um crente, por meio da fé, transformar um “travesseiro” em uma “coluna”!

Sugerem-se duas interpreta­ções para o voto de Jacó: (1) que ele faz um acordo com Deus ao di­zer: “Se…”; (2) que ele demonstra fé em Deus, já que se pode traduzir a palavra hebraica por: “Já que…”. Na verdade, esse é o primeiro voto registrado na Bíblia. É provável que ambas as interpretações sejam ver­dadeiras: Jacó acreditava na Palavra de Deus, mas ainda havia muito do “antigo homem” nele para que tentasse negociar com Deus, como fizera com Esaú e Isaque. Ele esta­va tão acostumado a “fazer esque­mas” que tentou planejar a forma de receber a bênção de Deus! No fim, expôs-se isso e Jaboque lidou com isso (Gn 32). Jacó retornou em paz para casa (Gn 35:27-29) e dizi­mou (v. 22). Ele percebeu que sua consagração a Deus queria dizer que seus bens materiais também estavam subordinados ao controle de Deus. Abraão praticara o dízimo (14:20), e, em ambos os casos, a lei ainda não fora dada. Os que dizem que o dízimo não é para essa era de graça esquecem o fato de que os santos primitivos praticavam o dízimo. Isso era a expressão da fé e da obediência deles ao Senhor que os guiava, os protegia e provia para eles.

Nos anos seguintes, Jacó nem sempre cumpriu esse voto. Ele “en­controu seu parceiro” em Labão, um homem de esquemas! Por vin­te anos, os dois tentaram passar a perna um no outro, mas, no fim, Jacó disciplinou-se, e Deus mante­ve suas promessas.

Conclusão

É bom que nós, os crentes, tenhamos um “Betel” em nossa vida, um local em que encontramos Deus de forma séria e em que assumimos alguns com­promissos definitivos com ele. Se nos afastarmos do Senhor, sempre poderemos voltar “a Betei” (Gn 35:9-15) para renovar nossa entre­ga. Jacó retrata o conflito das duas naturezas, pois ele sempre estava em luta com a carne e tentava de­pender de suas habilidades e pla­nos. Que bom saber que Deus zela por seus filhos teimosos!

Até a próxima semana.

 

 

One thought on “06.03.2016. Estudo EBD: Expondo o livro de Gênesis – Capitulo 28-29

  1. Quando estamos em provações geralmente queremos encontrar alguma explicação que justifique o porque de estamos em meio as tempestades e conflitos da vida. Bildade era amigo de Jó. Ao testemunhar o sofrimento de Jó, Bildade tenta diagnosticar os motivos de suas aflições. Bildade afirma, então que Jó estava sofrendo por causa de seus pecados, o que não era verdade, pois Jó não havia  praticado pecado algum contra Deus, que justificasse os seus sofrimentos.

    Curtir

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s