16.08.2015. Estudo para EBD: Expondo o evangelho de Marcos – Capitulo 04

clique aqui para imprimir esta lição

Expondo o evangelho de Marcos – Capitulo 04

Em 3:23, Marcos introduz a palavra “parábola” e usa-a oito vezes nesse capítulo (4:2,10-11,13,30,33-34). Essa palavra significa “pôr lado a lado; comparar”. Jesus usava imagens conhecidas para ajudar a explicar as verdades espirituais de sua mensagem sobre o “reino” (vv. 11,26,30).

Ele usava essa abordagem a fim de despertar o desatento, instruir o interessado e, ainda, esconder a verdade de seus inimigos, que a usariam contra ele (vv. 10-12). Esse capítulo apresenta quatro responsabilidades das pessoas de Deus.

I. Semear (4:1-20,30-34)

Jesus explicou a parábola e enfatizou que conhecê-la é fundamental para entender todas as parábolas (v. 13; e veja Mt 13:1-23). A não ser que nosso coração esteja preparado para receber a semente da Palavra, não cresceremos em graça e em conhecimento (2 Pe 3:18). Originariamente, o semeador era Jesus, que veio para semear a Palavra de Deus (a semente) e para buscar a colheita.

A Palavra de Deus, como a semente, “é viva, e eficaz” (Hb 4:12) e, quando é cultivada, frutifica. Contudo, há forças que tentam impedir que a semente frutifique. Satanás tira a semente dos corações duros (vv. 4,15); a carne produz uma resposta temporária nos corações superficiais (vv. 5-6,161 7); e o mundo atrapalha o crescimento nos corações ocupados (vv. 7,18-19). O solo bom representa o coração preparado, que recebe a semente e frutifica em vários graus distintos (“fruto […] mais fruto […] muito fruto”; Jo 15:1-8).

É relevante o fato de que três quartos dos corações não frutificam (eles não nasceram de novo verdadeiramente), e que os corações em produção não frutificam com todo o seu potencial. Não nos devemos desencorajar quando semeamos a semente em nossa pregação, nosso ensino e nosso testemunho (Gl 6:9; SI 126:5-6), pois Deus usará sua semente da forma mais adequada, e ela não será desperdiçada (Is 55:8-11). Também não devemos ficar jubilosos com um falso crescimento (vv. 30-34). A semente de mostarda é minúscula; porém, quando cresce, torna-se um arbusto grande, não uma árvore. Aqui, há uma alusão de que Satanás (as aves no arbusto, v. 15) encoraja um falso crescimento, o que dá espaço para que o inimigo trabalhe. Nas Escrituras, muitas vezes, uma árvore grande simboliza o vasto reino mundano (Ez 17:22-24; 31:3-9; Dn 4:20-22). O verdadeiro povo de Deus sempre foi minoria (Lc 12:32); todavia, a igreja confessa é muito parecida com uma árvore grande e cheia de ramos.

II. Iluminar (4:21-25)

Esse capítulo usa 13 vezes o verbo “ouvir”, e ele refere-se ao recebimento da verdade de Deus no interior da pessoa, exatamente como o solo recebe a semente. Devemos estar atentos à maneira como ouvimos (Lc 8:18) e ao que ouvimos (v. 24), pois essas coisas determinam o que temos para compartilhar com os outros. Não recebemos a Palavra a fim de que apenas nós mesmos a desfrutemos. Nós a recebemos para compartilhá-la, da mesma forma que a lâmpada tem a finalidade de iluminar a casa toda. Veja Mateus 5:15-16 e Lucas 11:33-36.

III. Colher (4:26-29)

Podemos resumir essa parábola em quatro palavras: semear (v. 26), dormir (v. 27), crescer (v. 28), colher (v. 29). Tudo que podemos fazer é semear a semente; apenas Deus a faz crescer (1 Co 3:6-7). Não podemos fazer a semente crescer; na verdade, não entendemos totalmente seu crescimento.

Nossa tarefa é semear a semente e ficar atentos à época da colheita (Jo 4:35-38). Embora, às vezes, o dormir retrate o pecado (Rm 13:11-14; 1 Ts 5:1-11), aqui é apenas um lembrete de que as pessoas que trabalham duro precisam de descanso (veja Mc 6:31). Se os trabalhadores não se cuidam, não têm condição de fazer o trabalho que Deus os chamou a fazer.

IV. Crer (4:35-41)

Jesus concluiu a lição e, a seguir, fez um teste inesperado com os discípulos! Eles tinham ouvido a Palavra de Deus, e a Palavra deveria fazer crescer a fé deles (Rm 10:17). Infelizmente, eles fracassaram no teste! Embora as tempestades violentas e inesperadas não sejam incomuns no mar da Galiléia, parece que essa teve origem satânica. No versículo 39, a palavra “repreendeu” é a mesma usada quando Jesus expulsava demônios (1:25).

Talvez o inimigo quisesse impedir Cristo de chegar a Gadara, local em que ele libertaria dois endemoninhados do poder de Satanás. Você pode sorrir na tempestade com Cristo no navio — se sua fé estiver nele, e apenas nele.

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s