19.04.2015 – Estudo para EBD. Tema: Tiago 5:7-11 – Paciência nas Aflições

LINK PARA COPIAR VERSÃO PARA IMPRESSÃO

Tiago 5:7-11   – Paciência nas Aflições

1.     Diante dos sofrimentos dos cristãos, Tiago propõe a paciência: “Por­tanto, irmãos, sejam pacientes até a vinda do Senhor. Vejam como o agri­cultor aguarda que a terra produza a preciosa colheita e como espera com paciência até virem as chuvas do outono e da primavera.” (v.7). A palavra grega makrothymêsate significa esperar pacientemen­te, indicando a atitude que pode suportar a demora e o sofrimento, sem nun­ca desistir. A idéia é de constância, resistência debaixo de um certo tipo de circunstância.

2.     A proposta de Tiago é que os cristãos permaneçam firmes diante das lutas e dos desafios. É interessante notar a dica que o apóstolo dá neste versículo: “sejam pacientes até a vinda do Senhor. Ou seja, enquanto estivermos neste mundo, passaremos por momentos difíceis, incompreensíveis, dolorosos e até mesmo críticos. Porém devemos manter a fé firme no Senhor, pois é nEIe que encontraremos força para vencer. Aqui podemos tirar duas lições. A primeira, é que nada em nossa vida dura para sempre. Ninguém veio aqui para sofrer. Todo sofrimento tem o momento certo de acabar, daí a importância de esperarmos com paciência. A segunda lição, é que a Vinda do Senhor marcará o fim dos nossos sofrimentos. Nunca pode­mos perder a esperança de sua vinda. A Bíblia diz: “Ele enxugará dos seus olhos toda a lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, pois a antiga ordem já passou(Ap. 21:4). É nesta promessa maravilhosa que devemos viver. Um dia, toda esta ordem manchada pelo pecado cairá, e a verdadeira vida virá. Os redimidos em Cristo experimentarão esta benção.

3.     Para exemplificar esta paciência, Tiago se utiliza de um modelo bas­tante comum em sua época, que era a figura do agricultor. Na Palestina a chuva era vista como uma grande bênção. () período das primeiras chuvas ocorria no outono e inverno, quando ia do fim de outubro até janeiro. Esta chuva se transformava cm neve, provendo a umidade para a semente recém- plantada, a fim de que pudesse germinar. Já as últimas chuvas ocorriam na primavera, nos meses de abril e maio. Estas chuvas eram necessárias para que a semente pudesse amadurecer. O agricultor esperava ansiosamente por essas chuvas. Elas eram um símbolo da providência divina.

4.     Da mesma forma que um agricultor depende de Deus para que a sua plantação seja abençoada, assim também nós dependemos de Deus e de Sua ação em nossa vida. Na Palestina, nem sempre as chuvas vinham de modo regular, fazendo com que os agricultores dependessem plenamente de Deus. Assim também nós devemos depender somente do Senhor. Quem pensa que a vida cristã é regada apenas de “chuva de bênçãos”, engana-se, pois na vida cristã também passamos por desertos e vales da sombra da morte (SI. 23:4) e vales de lágrimas (S1.84:6). A segurança que temos é que Deus andará conosco em todas as situações de nossas vidas.

5.     Tiago continua no verso 8 dizendo: “Sejam também pacientes e for­taleçam o seu coração, pois a vinda do Senhor está próxima.”. Novamente vemos um chamado a esperança escatológica aqui. Da mesma forma que o agricultor espera a chuva, assim nós devemos esperar a vinda do Senhor, que nos libertará das aflições da vida. Não devemos, entretanto, entender que o cristão deve se apoiar na Vinda do Senhor como uma fuga da realidade, como uma catarse. Não é isso em absoluto, que Tiago propõe. Ele fala em paciência, ou seja suportar a dificuldade, mas também fala em se fortalecer. No grego, fortalecer deriva de stêriksate, e significa tomar firme, estável, apoiar, perma­necer. Isso significa que a paciência é aperfeiçoada numa vida que se forta­lece. E como ocorre isto? Colocando o coração nas mãos do Senhor. E Ele quem fortalece a nossa vida para suportarmos as batalhas.

6.     Paulo fez a mesma exortação aos tessalonicenses:Que ele fortaleça o coração de vocês para serem irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos.” (1 Ts. 3:13); “deem ânimo ao coração de vocês e os fortaleçam para fazerem sem­pre o bem. tanto em atos como em palavras.” (2 Ts. 2:17). O Escritor aos Hebreus diz que “E bom que o nosso coração seja fortalecido pela graça”(Hb. 13:9). Fortalecer o coração significa que o nosso homem interior deve estar completamente rendido a Deus, pois é Ele a nossa força (Êx. 15:2; 1 Sm.2:1; 2 Sm. 22:33; Ne. 8:10; SI 28:7; 118:14; Is. 12:2; 49:5).

7.     No verso 9, Tiago traz uma censura firme: “Irmãos, não se queixem uns dos outros, para que não sejam julgados. O Juiz já está às portas!”. Numa primeira leitura este versículo parece não ter sentido algum. Porém, se olharmos com atenção veremos que ele faz sentido. Geralmente, em mo­mento difíceis, nós gostamos de colocar a culpa nos outros. As pessoas têm a tendência de lançar sobre os outros as suas frustrações e insucessos. No grego temos a palavra stenazete e significa queixar, lamentar, reclamar, suspirar. A palavra descreve um sentimento interior não expresso. Tiago aqui proíbe que os cristãos usem de palavras para lançar sobre os outros as próprias frustrações, bem como de desprezar os momentos que os outros passam. Há pessoas que acham que somente elas estão sofrendo, e desprezam a dor dos outros. Isso também é pecado.

8.     Temos que ter cuidado com a maledicência. Geralmente os momen­tos tensos da vida são oportunidades que achamos para massacrar as pes­soas com nossas palavras. Tiago nos lembra de um detalhe importantíssi­mo: “para que não sejam julgados. O Juiz já está às portas!”. Nossas ações têm repercussões inevitáveis. Nós obtemos aquilo que temos dado. E colhemos o que semeamos. As críticas duras e as palavras ásperas serão devolvidas na mesma proporção. Jesus em Mateus 7:1 disse: “Não jul­guem, para que vocês não sejam julgados”. Paulo em 2 Coríntios 5:10 advertiu: “Pois todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más.”. E em Gálatas 6:7,8 também lembrou: “Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna.”. É certo que Tiago está lembrando aos cristãos que Jesus está vindo. Novamente aqui uma lembrança escatológica. Jesus virá não como Redentor, mas como Juiz. E como tal colocará em ordem toda a humanidade.

9.     Após esta advertência. Tiago continua, agora lembrando o exemplo dos profetas: “Irmãos, tenham os profetas que falaram em nome do Senhor como exemplo de paciência diante do sofrimento.” (v.10). Os profetas fo­ram homens que sofreram uma grande perseguição. E raro vermos no Anti­go Testamento algum profeta que falou e não foi acuado. Por que? Porque a mensagem deles estava dividida em duas partes: Anúncio e Denúncia. Era | anúncio da Palavra do Senhor e a denúncia do pecado. Como sabemos, as pessoas não gostam de ouvir sobre os seus pecados. O coração humano é naturalmente rebelde e duro, e somente o Senhor pode quebrantar o coração das pessoas. Muitos profetas foram encarcerados, apedrejados, mortos e mu­tilados por falarem a verdade em nome de Deus. Jesus lembrou aos discípu­los que eles, quando perseguidos, estão na mesma condição dos profetas, e que por isso, são bem-aventurados (Mt. 5:12). Jesus criticou os fariseus e mestres da Lei, bem como a cidade de Jerusalém de maltratarem os profetas que foram enviados (Mt. 23:34,37).

10.  Os sofrimentos devem fortalecer a nossa fé. Sabemos que é muito difí­cil falar disso quando estamos no fogo das provações, porém nunca podemos nos esquecer que a nossa vida está nas mãos do Senhor. Um detalhe importan­te a destacar aqui é que Tiago diz que estes profetas que sofreram “falaram em nome do Senhor*’, ou seja o sofrimento deles não era resultado de erro, mas justamente por estarem no centro da vontade de Deus. Por isso é sempre bom avaliarmos a razão que motiva o nosso sofrimento. Se vier de um erro nosso, então devemos suportá-lo sabendo que colhemos aquilo que plantamos. Mas se vier por causa da justiça, ou seja, por estarmos no centro da vontade de Deus, então devemos suportar porque estamos fazendo a coisa certa.

11.  No verso 11 Tiago continua, agora usando o exemplo de Jó: “Como vocês sabem, nós consideramos felizes aqueles que mostraram perseverança. Vocês ouviram falar sobre a perseverança de Jó e viram o fim que o Senhor lhe proporcionou. O Senhor é cheio de compaixão e misericór­dia.”. Encontramos aqui algumas verdades maravilhosas da Palavra de Deus. Tiago diz que felizes são os perseveram. O vocábulo significa considerar-se feliz, bendito, bem-aventurado. Moo diz que esta bem-aventurança “é a aprovação e recompensa objeti­vas e inalteráveis de Deus”.  Da mesma forma que Deus recompensou a fidelidade dos profetas e do próprio Jó, assim também promete recompen­sar aqueles que permanecem firmes nas tribulações. É importante, entretanto, destacar aqui que Tiago não está dizendo que a paciência no sofri­mento sempre resulta em recompensa com prosperidade material. O obje­tivo de Tiago é incentivar nos cristãos uma firmeza fiel e paciente na afli­ção. Muitos servos e servas do Senhor, tanto no Antigo como no Novo Testamento passaram por aflições e não viram recompensas materiais, como Jeremias e Paulo, por exemplo.

12.  Jó é um exemplo de firmeza na tribulação. Mes­mo reclamando amargamente do tratamento que Deus lhe dispensava, ele nunca abandonou a sua fé. No meio da incompreensão, ele se apagou em Deus e continuou a esperar nEle (Jó 1:21; 2:10; 16:19-21; 19:25-27). Como disse Barclay: “a submissão de Jó não é daquela que se arrasta aos pés de alguém, passiva e que a nada questiona; Jó lutou e questionou, e algumas vezes até desafiou, mas a chama da fé nunca se apagou em seu coração.

13.  A fé verdadeira não é aquela que não questiona, mas aquela que luta com Deus e por Deus. A firmeza de Jó foi recompensada. Tiago lembrou seus ouvintes dizendo: “e viram o fim que o Senhor lhe proporcionou”. Aqui o apóstolo lembra a restauração da sua família e fortuna (Jó 42:13). Por trás dos sofrimentos havia um propósito divino (Jó 42:5,6).

Abraços a todos e até a próxima semana.

 

 

 

4 thoughts on “19.04.2015 – Estudo para EBD. Tema: Tiago 5:7-11 – Paciência nas Aflições

  1. graça e paz do SENHOR Jesus; irmão pastor Josias moura; sou grato a Deus por ter marcado este encontro com o senhor: sobre esta maravilhosa palavra e também sobre a fé de Jó. O problema de Jó que levou ele a pecar diante de Deus, o pecado dele era porque seus filhos viviam praticando farras e mais farras, e Jó pela madrugada levantava-se e ia oferecer animais em sacrifício a Deus para encobrir os pecados dos filhos. Ele levantava de madrugada, e oferecia holocausto segundo o número de todos eles; porque dizia Jó porventura, pecaram meus filhos e blasfemaram de Deus no seu coração. Assim o fazia Jó continuamente:

    Curtir

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s