QUESTÕES DIFICEIS NA BIBLIA

Este artigo faz parte da biblioteca digital 02 do conhecimento cristão: Adquira agora esta biblioteca

 

QUESTÕES DIFICEIS NA BIBLIA

O TEMPLO DE SALOMÃO

“Há contradição entre os versículos de 1 Reis 6.38 e João 2.20? Nos quais se diz que o templo foi construído em sete anos e quarenta e seis anos respectivamente?”

O templo citado em 1 Reis 6.38 é o Templo de Salomão, e o mencionado em João 2.20, é o Templo construído por Herodes, o qual mandou edificar essa obra com muita suntuosidade, visando agradar os judeus, para firmar o reinado sobre eles, apesar de ser um edumeu.

 

 

OS DOIS MALFEITORES

“Como explicar Mateus 27.44 e Marcos 15.32, onde se diz que os dois malfeitores crucificados com Jesus o injuriavam, e blasfemavam contra Ele, com Lucas 23.39,40, que afirma ser um só o blasfemador, e o outro não, antes censurava seu companheiro em defesa do Senhor, a quem fez o célebre pedido: ‘Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino’?”

Não há dificuldade em conciliar estas passagens. Os evangelhos não foram escritos ao mesmo tempo, nem no mesmo local, nem destinados às mesmas pessoas: Ma­teus, por exemplo, apresenta Jesus como o Messias, e foi endereçado primeiramente aos judeus; Marcos apresenta o Senhor como Maravilhoso, e destinou-se aos gentios; Lucas mostra o Mestre como o F’lho do homem, e teve endereço pessoal a Teófilo; João mostra o Salvador como o Filho de Deus, e é o Evangelho Teológico destinado a todos os crentes. Mateus e João foram apóstolos e tiveram a oportunidade de ver e ouvir melhor tudo o que se passou com Jesus, pois conviveram com Ele por mais de três anos; Lucas e Marcos não foram apóstolos. Para escrever seu evangelho, Lucas só o fez depois de haver-se “infor­mado minuciosamente de tudo desde o princípio”, 1.3. De Marcos, se diz que foi informado do que conhecera pelo apóstolo Pedro, talvez por não possuir conhecimen­to e instrução suficiente do que ocorrera. É uma verdade conhecida que duas ou mais pessoas, ao presenciarem o mesmo fato, di­vergem, ao descrevê-lo, mas essa divergência,  quando não prometida, é benéfica, pois completa a descrição.

De fato, os Evangelhos foram escritos sem prévia combinação entre seus escritores. Desse modo, um descreve um fato que o outro não narra. Mateus e Marcos deram ênfase a que os dois ladrões que estavam sendo crucificados com Jesus blasfema­vam e zombavam. E isso foi verdade, por­que ambos estavam revoltados, pois julga­vam que a crucificação de Jesus apressara a própria crucificação deles. Lucas, por sua vez, relata o sucedido, ou seja, a con­versão de um dos malfeitores, enquanto o outro continuou com o coração endurecido e fechado para a grandiosidade da obra que presenciava. A descrição dessa minú­cia que completou o ocorrido no Calvário foi citado pelo médico amado, Lucas, visto que se informara “minuciosamente de tu­do”. Desejamos enfatizar que esse comen­tário em nada contraria a inspiração divi­na das Escrituras. Na inspiração Deus usou também a ação dos escritores bíbli­cos. Uma prova irrefutável disso são as próprias palavras de Lucas já citadas: “Havendo-me já informado minuciosa­mente de tudo desde o princípio”. Deus usou ainda a idéia do escritor, a sua instru­ção, os seus conhecimentos, etc. Pedro, o pescador, não poderia jamais ser usado para descrever a sublimidade do Evangelho e a sua eficácia, como o foi Paulo, o apóstolo. Mas Deus, pela inspiração, fez com que a ação, o pensamento, a instrução do escritor bíblico fossem adaptados a re­velar unicamente o plano divino, ao escoimá-lo de qualquer sombra de erro.

 

 

SOFRIMENTOS INCOMPREENDIDOS

“Por que o justo mesmo estando sobre a proteção de Deus sofre tribulação?”

O que devemos analisar de imediato é que a lei da semeadura e da colheita está em pleno vigor.

A Palavra de Deus preceitua que tudo quanto o homem semear, isso também ceifará. Não raro, sofremos apenas a conse­qüência de nossa imperícia.

Todavia, existem casos que desafiam e anulam essa justificativa. Então, surgem as perguntas: “Por que sofre o justo?”; “Por que o cristão, protegido pelo amor de Deus, padece tribulações?”; “Por que o ím­pio, que amaldiçoa e escarnece da divinda­de parece vencer e prosperar em todas as coisas?; “Como explicar que alguém no vértice de sua comunhão, com Deus o Pai, Deus o Filho e Deus o Espírito Santo, se veja de repente soterrado pela adversida­de, pela tragédia e pela destruição?”

Estas perguntas não são novas. Foram sempre a arma maliciosa e cruel que os céticos e materialistas usaram, e ainda usam, para ridicularizar e pôr em dúvida a confiança e a firmeza dos fiéis, ao se encon­trarem falidos e desamparados. Estas per­guntas têm sido um dilema insolúvel até mesmo para os religiosos mais sinceros de todos os tempos. Nos dias de Jesus, após a realização de uma cura, indagaram-lhe os seus discípulos: “Mestre quem pecou para que este homem nascesse cego, ele ou seus pais?”

Ainda hoje prevalecem essas conjectu­ras. “Sofremos porque nossos pais pecaram” – dizem uns. “Sofremos – argumen­tam outros – porque nós mesmos pecamos em tempos remotos; pagamos dívidas anti­gas, a fim de evoluirmos espiritualmente.” Pergunta-se então ao próprio Cristo: “Terá o sofrimento caráter tão-somente negati­vo?” Eis a resposta do Mestre Divino: “Nem ele nem seus pais pecaram, mas isso aconteceu para que se revelasse a glória de Deus”. E para que coisa mais positiva do que revelar-se a glória de Deus entre os ho­mens?

O grande enigma do sofrimento dos jus­tos é-nos impossível decifrar.

A par destas difíceis perguntas, há ain­da quebra-cabeças como “Por que o Céu, sendo um lugar onde não entra pecado, foi justamente o berço da iniqüidade, com a rebelião de Lúcifer?”, ou dilemas semelhantes a “Como podia Deus ser eterno, em termos absolutos e ao mesmo tempo deixar-se subjugar pela morte no Calvá­rio?”, ou ainda, “Como Deus, sendo um Deus de amor, permite um filho seu morrer incinerado num desastre aéreo, em plena viagem missionária?”, são segredos que talvez nunca conseguiremos perscrutar nesta vida.

Entretanto, como a questão do sofri­mento dos justos afeta decididamente o nosso dia-a-dia, rogamos a Deus que, pelo poder do seu Espírito Santo, rasgue novas perspectivas e descortine novos horizontes na compreensão e no entendimento do amigo leitor, a fim de que vislumbre, bem mais e melhor, as razões por que Deus per­mite a provação.

De fato, temos de convir, quer queira­mos ou não, que Deus não procede, em geral, e também neste caso, como nós gos­taríamos que Ele agisse. Não é assim no mundo material, nem no espiritual. Os ter­remotos e os tufões não são os seus meios ordinários, mas extraordinários. A razão por que Deus permite certas coisas, encon­tra-se além das nossas conjeturas. Contu­do, poderemos estudar suas obras na natu­reza, e acharemos que concordam com as obras da sua providência: Mt 6.25-32. “Deus tem a eternidade perante si”, diz santo Agostinho, e “pode esperar”. O seu tempo não é limitado como o do homem, que, se tem alguma coisa a fazer, quer fa­zê-lo logo, pois a noite vem. Porém, não é assim com Deus: Ele opera, em nosso pen­sar, deliberada, segura e irresistivelmente.

Não devemos contar os anos de Deus como contaríamos os poucos dias a nós re­servados: “Não retarda o Senhor a sua pro­messa como alguns entendem”. O nosso fraco alcance, a profundidade do infinito e a sua extensão, lembram que os juízos de Deus são muito profundos. Aprendamos, portanto, que quando Deus trabalha, nin­guém pode impedir; contudo, Ele trabalha como o eterno Deus: Jo 13.7.

 

 

ALELUIA

“Qual o significado da expressão ‘Ale­luia’?”

Com a grafia “allelujah”, de origem aramaica e significando louvai ao Senhor, essa palavra passou à igreja cristã através da Versão dos Setenta. O termo original hebraico “hallelu-yahweh”, louvai vós. “yah”, forma abreviada de “yahweh”, ocorre vinte e quatro vezes nos salmos e é variante de termos com a mesma significa­ção que não parecem pertencer ao mesmo texto, mas incursões alheias durante a lei­tura, por efusão da alegria espiritual do ouvinte, tanto quanto nos dias atuais se ouve em nossas reuniões. Por isso, ocorrem tan­to no início como no meio ou no fim dos salmos, dando a entender que o tradutor registrou na transição o fato de se ouvirem essa palavra por ocasião da leitura. Pode também ser uma conclamação – ainda alheia – para que os ouvintes glorifiquem a Deus enquanto se faz a leitura, tanto no templo, como nas sinagogas, ou na igreja cristã. Essa expressão de fervor e gratidão espiritual encontram-se nos salmos 104,105,106,111,112,113,114,115,116,117, 118,135,136,146 a 150. A sugestão dos sal­mos com a expressão Aleluia é que eram cantados em ocasiões especiais de adora­ção nas sinagogas. “Os salmos 113-118 eram cantados na festa da Páscoa, do Pentecoste, dos Tabernáculos e da Dedicação, sendo que na primeira delas, os salmos 113 e 114 eram entoados antes das refeições, enquanto que os 115 a 118, após o terceiro cálice. (Conferir Mc 14.26.) Os salmos 135 e 136 eram entoados no sábado e o Grande Halel (SI 146 a 150), juntamente com o SI 145, eram entoados nos cultos matutinos” – HLE, Douglas. Em nossas igrejas, embora a maioria dos irmãos desconheça a etimologia da expressão, ficam movidos pelo Espírito Santo ao exclamá-la em voz alta, sentindo um reforço espiritual avivalista que vivifica as reuniões. As igrejas onde o louvor de Deus é cultivado per­manecem ativas, enquanto que nos tem­plos onde se combate o entusiasmo do po­vo, há uma carência de vida espiritual. Portanto, louvai ao Senhor – Aleluia!

 

 

DISCOS VOADORES

“Os discos voadores existem?” O assunto é atual, embora seja inve­rossímil e incomprovada a sua existência. Esta expressão “discos voadores” foi cu­nhada há 31 anos pela imprensa ao noti­ciar a visão de nove objetos em forma de disco voando sobre Mount Kenneth Arnold, no dia 24 de junho de 1947. Mais tar­de criou-se uma expressão mais elástica -Objetos Voadores não Identificados ou OVNIs. Desde então várias pessoas come­çaram a ver estes objetos, sempre de forma misteriosa, nunca em lugares abertos ao grande público. No momento, de todas as partes do mundo, chegam inúmeros relatos da existência de objetos voadores não iden­tificados. Mas, 90 por cento destes relatos diários são imprestáveis por falta de con­sistência. Sobre este assunto é necessário considerar outros fatos de suma importân­cia.

1. Os simples enganos. O relatório de 1969 (8.400 páginas) da Força Aérea dos EUA, que analisou 12.618 visões de OVNIs, afirma que 95 por cento dos relatos devem-se a “simples enganos de identifi­cação de uma variedade incrível de fenômenos”. Os tais objetos voadores foram confundidos com meteoros, relâmpagos em forma de bola, reflexões de holofotes nas nuvens, balões meteorológicos, foguetes e até com insetos que apresentam órgãos fosforescentes localizados na parte inferior dos segmentos abdominais (os pirilampos, também chamados vaga-lumes, as moscas de fogo).

2. Mistificações. Para ganhar dinheiro e notoriedade, ou para distrair a atenção da massa, milhares de pessoas estão pron­tas a abusar da credulidade alheia, com exageros ou mentiras bem elaboradas. Re­ligiosos, políticos, vendedores e até cientis­tas estão sempre prontos a explorar esta mina que é a credulidade humana.

3. Alucinações. O indivíduo alucinado, isto é, privado temporariamente da razão, pode não estar mentindo quando afirma sem sombra de dúvida ter visto objetos voadores não identificados e seus tripulan­tes, mas isto não quer dizer obrigatoria­mente que a visão seja real. Segundo o psi­quiatra Jean Rosembaum, este é o caso do lenhador Travis Walton, que em 1975 teria sido levado para o interior de um OVNI, no Arizona, e visto “seres semelhantes a fetos desenvolvidos, de 1,50 m de altura mais ou menos, com cabeças carecas e ovais, e enormes olhos castanhos”. Walton era fã de discos voadores e, pouco antes do inci­dente, dissera à mãe que, se algum dia fos­se raptado por um aparelho destes, ela não se preocupasse, pois tudo terminaria bem. As alucinações podem ser provocadas por enfermidades mentais e por outros meios, inclusive a ingestão de drogas alucinóge­nas.

4. Projeções. O psicólogo suíço Kal Jung, falecido em 1961, acreditava que os OVNIs eram produtos da inteligência e imaginação do homem, “projeções do sub­consciente coletivo, trazidos à tona em tempo de “stress” ou coisa parecida”. Aquilo que sempre foi história de quadri­nhos e ficção científica tornou-se na mente do povo, estranha realidade.

No que diz respeito a fotografias de OVNIs, um artigo de Seleções informa que elas “têm sido identificadas como discos plásticos de brinquedo atirados ao ar, fotomontagens, objetos pendentes de fios, su­jeira na lente da máquina e manchas de re­velação”. Ninguém ignora as possibilida­des atuais da arte fotográfica, especial­mente na fotomontagem.

Finalmente, concluímos: se em cada 100 casos de visões de OVNIs 95 não passam de simples enganos de identificação de uma variedade incrível de fenômenos, seria razoável acreditar na existência de tais objetos?

 

 

O PECADO DE BLASFÊMIA

“O que significa blasfemar contra o Espírito Santo?”

A blasfêmia contra o Espírito Santo é um pecado singular e somente abrange aqueles que já experimentaram o poder do Espírito em suas vidas e depois por algum motivo o rejeitaram com escárnio e endu­recimento. Este ato não trata de blasfêmia contra a Palavra de Deus, ou contra qual­quer ministro da igreja, porque para tudo isto existe perdão, mas a blasfêmia contra o Espírito Santo é um pecado diferente dos demais; pois, para ele não há perdão. Os fariseus o cometeram quando, com intuito de afastar o povo de seguir a Jesus, afirma­ram que Ele havia expulsado demônios pelo espírito de Belzebu: Mtl2.24.Pecado contra o Espírito Santo é rejeitar as mais claras provas de que as obras de Jesus fo­ram feitas pelo poder do Espírito e alegar que estes milagres pertencem ao Diabo. Isso é sinal de endurecimento completo, a ponto de não existir nenhuma esperança de arrependimento e conversão: o pecador torna-se incapaz de conhecer ou distinguir o divino do diabólico. Aquele que comete pecado dessa natureza sofre um afasta­mento imediato do Espírito Santo da sua vida, o que ocasiona morte espiritual total. É necessário ressaltar que, às vezes, aparecem pessoas, até chorando, por acha­rem que pesa sobre elas este pecado e, jul­gam que nunca poderão ser perdoadas. Po­rém, só o fato de estarem arrependidos, desejosos de salvação ou perdão, prova que não blasfemaram contra o Espírito Santo; pois, o próprio Espírito os está chamando para o arrependimento.

 

 

SEOL

“Que significa a palavra Seol?”

A palavra Seol no AT eqüivale, em sen­tido, a Hades, no NT. Diferem na forma porque a primeira é hebraica e a segunda grega. Elas designam o lugar para onde iam todos após a morte: justos e injustos, havendo, no entanto, nessa região dos mor­tos uma divisão para os justos e outra para os injustos, separados por um abismo in­transponível. Todos estavam ali plena­mente conscientes. O lugar dos justos era de felicidade, prazer e segurança. Era cha­mado “Seio de Abraão” e “Paraíso”. Já o lugar dos ímpios era medonho, ignífero, cheio de dores, sofrimentos. Conforme Efésios 4.8-10, parece que o Hades situa-se bem no profundo da terra. As referências à entrada de almas nesse lugar são sempre “desceu” (Cf. Jacó: Gn 37.35; Core: Nm 16.30-33; Jó: 17.16, etc.)

Em todas essas passagens a referência é ao Seol, e mostram um lugar situado nas profundezas da terra. É de lastimar o fato de que inúmeras referências ao Seol no AT certas versões em português traduzem por sepultura e outros termos afins, trazendo não pouca confusão ao leitor comum. As palavras Hades e Seol, aparecem, às vezes, também traduzidas por Inferno, como em Deuteronômio 32.22; 2 Samuel 22.6; Jó 11.8; 26.6; Salmos 16.10, e em muitos ou­tros lugares do AT, bem como no NT, em Mateus 16.18; Apocalipse 1.18. Um estu­dante menos avisado ou apressado pode partir daí para falsas interpretações. O In­ferno propriamente dito, isto é, o Inferno eterno como destino final dos ímpios é cha­mado Lago de Fogo e Enxofre, mencionado em Apocalipse 20.10,14.

O Hades é apenas um Inferno-prisão onde os ímpios permanecem entre sua morte e sua ressurreição que ocorrerá por ocasião do juízo do Grande Trono Branco, após o reino milenial de Cristo: Ap 20.7,11-15. Outras vezes, a palavra Hades, como já dissemos, é traduzida por sepultura, como em Gênesis 37.35; 42.38; 44.31; Jó 21.13, etc. É preciso muito cuidado para evitar ensino errôneo decorrente de imperfeições nas traduções. É preciso recorrer a obras de renome para consulta e referência, como a Concordância de Strong e léxicos bilingües das línguas originais, mesmo para os versados nessas línguas. Para citar só mais um exemplo deste problema, esta mesma palavra Hades é ainda traduzida por morte em 1 Coríntios 15.55b. Estas di­ferentes traduções de uma mesma palavra têm trazido muita confusão entre os menos avisados. Portanto, antes da vinda de Je­sus, a este mundo, todos desciam ao Seol justos e injustos, havendo uma separação intransponível entre as duas divisões desse lugar.

 

 

AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL

“Como se explicam as setenta semanas de Daniel?”

A expressão correspondente no origi­nal, significa “setenta setes”. Como a mensagem do capítulo nove de Daniel abrange um longo espaço de tempo, enten­de-se que cada uma dessas semanas men­cionadas pelo anjo representa sete anos. A Bíblia usa linguagem semelhante em Levítico 25.8, onde a tradução é feita literal­mente como “semanas de anos”. Em Ezequiel 4.5,6 ocorre o mesmo fato, já que es­tes versículos tratam também de anos e utilizam o mesmo método simbólico. Portanto, as setenta semanas de Daniel com­preendem 490 anos, ou seja, setenta vezes sete anos assim explicados, segundo as opi­niões mais abalizadas: v.25 – “Desde a saí­da da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Messias, sete semanas e sessenta e duas semanas”. Esta ordem foi dada por Artaxerxes em cerca de 445 a. C. (leia Neemias 2), sendo que as primeiras sete semanas correspondem aos 49 anos gastos na reedificação da cidade. As ses­senta e duas semanas seguintes compreen­dem 434 anos que, somados aos 49 anterio­res, totalizam 483 anos: v. 26 – “E depois das sessenta e duas semanas será tirado o Messias e não será mais; e o povo do príncipe que há de vir destruirá a cidade e o santuário”. Assim sendo, estes 483 anos culminam com a crucificação de Cristo. O povo aqui mencionado são os romanos, que dominavam o mundo contemporâneo de Jesus, e foram os responsáveis pela des­truição de Jerusalém e do Templo, no ano 70 d.C. Cumprindo-se neste último caso as palavras do Mestre: “Não ficará aqui pe­dra sobre pedra que não seja derribada”, Mt 24.2. “O príncipe que há de vir” é uma referência direta ao Anticristo, por diver­sas vezes aludido em outras passagens bíblicas, o qual se manifestará no fim dos tempos. V. 27 – “E ele firmará um concerto com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre as asas das abominações virá o assolador, e isso até a consuma­ção; e o que está determinado será derra­mado sobre o assolador”. Neste versículo, chegamos à última fase da mensagem pro­fética, isto é, a septuagésima semana que começará após o arrebatamento da Igreja e o retorno geral dos judeus à Palestina, con­forme se observa no versículo 26. Convém salientar que este último fato já está ocor­rendo. Na ocasião, o Anticristo fará uma aliança por sete anos com Israel, e estabe­lecerá um governo mundial com base no seguimento do antigo império romano, sob a forma de uma confederação de dez na­ções: Dn 2.42,43; 7.7,8. Porém, na metade da semana, ou seja, após três anos e meio, ele quebrará o concerto, dando início à Grande Tribulação propriamente dita. “O príncipe que há de vir” então tripudiará sobre o povo israelita “até a consumação” da semana profética e, finalmente, “o que está determinado será derramado sobre o assolador”: Cristo se manifestará, segundo o relato de Apocalipse 19, e começará uma era de paz sobre a terra, conhecida como o Milênio.

 

 

TIPOS DE BATISMO

“Quantas espécies de batismo existem na Bíblia?”

Preliminarmente, devemos, antes de qualquer explicação acerca do assunto em pauta, conhecer a palavra batismo, que é, sem dúvida, importante dentro do contex­to doutrinário neotestamentário. Esta ex­pressão se origina do vocábulo grego “baptizõ”, que significa imersão, mergulho, submersão. Daí a razão de Paulo comparar esse ato a um sepultamento (Rm 6.4), pois é através desta ação que o novo convertido enterra para sempre o seu velho homem (na linguagem paulina), isto é, seu caráter inconverso, carnal, natural, pecaminoso, corrompido. Devemos salientar também que o batismo não salva o homem, mas é tão-somente uma confirmação daquilo que já lhe aconteceu, isto é, a conversão.

Não somos batizados para a salvação; ao contrário, somos batizados porque já so­mos salvos. Esclarecemos, também, por via de dúvidas, que o batismo por aspersão é uma incoerência. Isto eqüivale dizer: “imersão por aspersão”. Faz sentido?

No que tange ao número de batismos existentes na Bíblia, o autor aos Hebreus parece fazer alusão ao assunto quando fala da “doutrina dos batismos”, Hb 6.2. Entretanto, entendemos, pelo contexto do capítulo, que o escritor está apenas classificando este assunto no rol das doutrinas rudimentares para novos convertidos como o a-bê-ce- da vida cristã. Apesar da explicação acima, parece-nos viável salientar que as Escrituras Sagradas, mormente no Novo Testamento, apresentam algumas espécies de batismo.

Na tentativa de esclarecer a questão su­pra, o articulista Venâncio R. dos Santos, em artigo publicado num periódico evan­gélico, enumera, com muita propriedade, sete tipos de batismo:

1.  O batismo de João, também chama­do de batismo do arrependimento: Lc 3.3; 7.28; At 18.25.

2.  O batismo do sofrimento que é aque­le com que Cristo foi batizado; qualquer servo de Deus pode recebê-lo: Mc 10.38,39; Lc 2.50.

3.  O batismo cristão-apostólico, que é ministrado em nome da Trindade: Mt 28.19,20; At 2.38; 19.5.

4.  O batismo pelos mortos – uma here­sia muito difundida no tempo dos apóstolos; citada, mas não aprovada por Paulo: 1 Co 15.29.

5.  O batismo de Moisés – na nuvem e no mar: Êx 14.15-25; 1 Co 10.2.

6.  O batismo com o Espírito Santo que é efetuado por Jesus Cristo: Mt 3.11; At 2.1-4.

7.  O batismo no corpo de Cristo. Este é realmente realizado pelo Espírito Santo imergindo o novo convertido no corpo mís­tico de Jesus, a Igreja.

Das sete espécies de batismo encontra­das no Novo Testamento – continua o articulista – três merecem destaque, por terem missão específica no âmbito da Igreja:

1. O batismo nas águas, que exterioriza a nova vida que o recém-convertido assu­me interiormente. Por esse batismo, o novo convertido é introduzido na igreja local: At 2.41.

2.  O batismo com o Espírito Santo, que é a concessão do poder, manifesta-se em dons espirituais, visando à evangelização em todas as dimensões. É o mergulho do crente no poder do Espírito: At 1.8; 1 Co 12.7-11.

3.  O batismo no corpo de Cristo, que é a imersão do novo convertido no corpo místi­co de Jesus (a Igreja), feito pelo Espírito Santo no ato da conversão.

Finalmente, para concluirmos o nosso pensamento sobre o assunto, evocamos aqui, a propósito, a opinião do renomado escritor J. Edwin Orr, que, em seu livro Plena Submissão, faz alusão ao assunto supracitado, dizendo: “No batismo com água, o agente é o ministro, o recipiente é o crente e o elemento a água. No batismo do crente no Corpo de Cristo, o agente é o Es­pírito Santo, o recipiente o novo converti­do e o elemento é o Corpo de Cristo: a Igre­ja. Na outorga de poder (o batismo com o Espírito Santo), o agente é Cristo, o recipiente é o crente e o elemento é o Espírito Santo.”

Portanto, reiterando o que até agora foi visto, podemos declarar mais uma vez e, sem medo de errar, que a Bíblia Sagrada é a verdade de Deus revelada aos homens.

 

 

One thought on “QUESTÕES DIFICEIS NA BIBLIA

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s