16.11.2014 Estudo EBD. Tema: Tiago – A religião prática

clique aqui para copiar esta apostila

Tiago: A religião prática

Tiago faz parte das chamadas Cartas Gerais ou Universais (as cartas de Pedro, João, Judas e aos Hebreus). É a mais prática de todas as cartas e tem sido chamada de “Guia Prático para a Vida e a Conduta Cristã”.

Por que estudarmos a carta de Tiago? Apresento algumas razões:

•Ela faz parte do cânon do Novo Testamento, isto é, ela é a revelação escrita inspirada por Deus, útil para o nosso ensino e nosso aperfeiçoamento espiritual.

•Ela é um manual prático da religião cristã, a lei de Cristo para a nossa vida diária. É notável a semelhança entre o conteúdo de Tiago e o Sermão do Monte (Mt 5.3-7.27). Faça uma comparação: Tg 2.12,13 com Mt 6.14,15; Tg 3.11-13 com Mt 7.16-20; Tg 5.12 com Mt 5.34-37.

•Ela trata de assuntos ou de problemas espirituais que enfrentamos na vida cristã hoje. Provações, tentações, hipocrisia, acepção de pessoas na igreja, os tipos de fé, o controle da língua, o mundanismo na igreja, o exercício da paciência, a importância da oração.

Estudar a carta de Tiago é ser impactado com um sermão pastoral. Ele exorta de forma objetiva e amorosa a Igreja de Cristo, sem abrir mão da sua autoridade apostólica. Ele usa 44 imperativos para exortar os crentes ao desenvolvimento e à maturidade espiritual.

1. Quem Escreveu e Para Quem Escreveu?

Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos que se encontram na Dispersão, saudações (Tg 1.1). Três informações importantes:

Autoria da carta: Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo

A carta tem o nome do seu autor, Tiago, irmão de Jesus (Mt 13.55-56 e Mc 6.3), líder da igreja em Jerusalém (At 15.13; 21.18 e Gl 2.9,12). Incrédulo durante o ministério de Jesus (Jo 7.1-5), converteu-se, provavelmente, após a ressurreição de Jesus (1Co 15.7) e foi testemunha da ascensão de Jesus (At 1.14). Foi martirizado no ano 62 d.C.

O nome Tiago era muito comum na época e a Bíblia registra a existência de algumas pessoas com este nome: (1) Tiago, filho de Zebedeu e irmão de João, pescador, a discípulo de Jesus, morto por Herodes – Mt 4.17-22; Mc J 3.17; At 12.1,2. (2) Tiago, filho de Alfeu, outro discípulo de Jesus – Mt 10.3 e At 1.13. (3) Tiago, pai de Judas – Lc 6.16.

Tiago se apresenta como servo de Deus e do Senhor Jesus. W. Barclay diz que há pelo menos quatro implicações neste título: obediência absoluta, humildade absoluta, lealdade absoluta e honra absoluta.

Destinatários: às doze tribos que se encontram na Dispersão

Tiago escreveu aos cristãos judeus espalhados por todo o império romano. O termo “doze tribos” significa o povo de Deus ou a nação de Israel (At 2.9-11 e 26.7). Foi escrita entre os anos 44 d.C. a 62 d.C, ano em que Tiago morreu.

Saudação: Saudações

Tiago usa apenas a expressão: saudações (chairein).

Era uma saudação típica dos gregos (At 23.26). Ele usa a mesma saudação na carta que continha a decisão do Concilio de Jerusalém (At 15.23).

2. Qual o Propósito de Tiago?

Ao ler a carta de Tiago, observamos que os destinatá-rios da carta tinham alguns problemas em sua vida pessoal e na igreja. Aquilo que foi oculto por Lucas em Atos, foi revelado por Tiago: impaciência nas tribulações, hipocrisia, acepção de pessoas, maledicência, mundanismo, brigas e cobiças, crentes doentes e afastados da igreja.

Os comentaristas bíblicos apresentam várias suges- tões de esboço da carta bem como sobre o propósito de Tiago. Simon Kistemaker diz que a carta pode ser dividida em duas partes, composta por dois sermões: capítulos 1-2 (primeiro sermão com 53 versículos) e capítulos 3-5 (segundo sermão com 55 versículos). São cinco títulos para os cinco capítulos: Perseverança, Fé, Controle, Submissão e Paciência.  Henriett Mears diz que o objetivo de Tiago foi apre- sentar Jesus Cristo como nosso modelo. Não devemos desistir, pois, temos a fé: Fé vitoriosa sobre a tentação (Tg 1.12), Fé revelada pelos nossos atos (Tg 1.22-2.26); Fé revelada pelas nossas palavras (Tg 3.1-18); Fé revelada pela pureza do caráter (Tg 4.1 -17); e Fé revelada pela vida de oração (Tg 5.1-20).

Todo cristão pode ter alegria em meio às provações (Hb 12.2). (4) Toda provação que o crente enfrenta tem a permissão de Deus (Gn 22.1).

Quais os objetivos ou resultados da provação?

Tiago segue falando sobre o assunto e apresenta os dois resultados da provação: (1) Perseverança, capacidade de resistir, paciência na tribulação: sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança (Tg 1.3 e Rm 5.3,4). (2) Maturidade ou integridade e perfeição de caráter: Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes (Tg 1.4).

O que precisamos fazer durante a provação?

Primeiro, na provação precisamos de sabedoria espiritual, ou discernimento para entender, suportar e sair vitorioso. Como conseguir sabedoria? Orando, responde Tiago:

Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida. Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa; homem de ânimo dobre, inconstante em todos os seus caminhos Og 1.5-8).

Em segundo lugar, precisamos entender que provação não tem nada a ver com quantidade de bens, ser pobre ou ser rico. A provação nivela todos os crentes diante de Deus: O irmão, porém, de condição humilde glorie-se na  sua dignidade, e o rico, na sua insignificância, porque ele passará como a flor da erva. Porque o sol se levanta com seu ardente calor, e a erva seca, e a sua flor cai, e desaparece a formosura do seu aspecto; assim também se murchará o rico em seus caminhos (Tg 1.9-11). A provação vem sobre todos os crentes, independente da sua condição financeira. É totalmente equivocada a ideia de que possuir bens é recompensa de dignidade espiritual.

Quando as provações terão fim?

Tiago encerra o assunto acerca da provação com uma bem-aventurança: Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam (Tg 1.12). Neste verso, Tiago nos ensina três lições: (1) Feliz é o homem que suporta a provação, sem desistir da fé. (2) O crente será provado durante toda a sua vida neste mundo. (3) O crente provado e aprovado receberá a recompensa da vida eterna.

O grande perigo da provação

A diferença fundamental entre a provação e a tentação está na sua origem e objetivo. A provação procede de Deus e visa o amadurecimento do crente. A tentação brota da nossa natureza pecaminosa, de Satanás e do mundo, e o seu objetivo é prejudicar o nosso relacionamento com Deus.

Tiago fala do grande perigo da provação para o crente: a de ser transformada em uma tentação. Dependendo da intensidade da provação, podemos ficar zangados com Deus e duvidar do seu caráter, como fez a esposa de Jó (Jó 2.9,10). Por isso ele assevera: Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta (Tg 1.13). Deus não é fonte de tentação e Ele não é atraído pelo mal. A sua natureza é santíssima. A Bíblia ensina que Satanás é o tentador (Mt 4.3; 1Ts 3.5) e que o crente deve orar a Deus pedindo “não nos deixes cair em tentação”.

A tentação brota da nossa natureza pecaminosa: Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte (Tg 1.14,15). Três lições aqui: (1) A tentação é universal e atinge a todo homem ou a cada um. (2) A tentação brota do coração corrompido do homem – Jr 17.9 e Mt 15.19. Cada um é atraído e seduzido por seu próprio desejo perverso, tal como um peixe ao ser pescado. (3) A tentação é um processo tal como a concepção de um ser vivo: cobiça + atração e sedução = dá à luz ao pecado = que resulta em morte (Rm 6.23). Os dois remédios para não cair em tentação: vida de comunhão com Deus, pela oração e leitura da Bíblia (Mt 4.1-11 e 26.41) e a fidelidade de Deus que proverá o livramento (1 Co 10.13).

Tiago continua: Não vos enganeis, meus amados irmãos (Tg 1.16). Tudo de bom que existe procede de Deus. Toda boa dádiva e todo dom perfeito são lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança (Tg 1.17). 

 

 

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s