Estudo para EBD dia 02.11.2014 Tema: Viva a Liberdade em Cristo

COPIE AQUI ESTA LIÇÃO DA EBD

Viva a liberdade em Cristo  –   Gálatas 5:1-21

O conceito bíblico de liberdade espiritual possui três idéias básicas: o homem é escravo do pecado e totalmente impotente de libertar-se; a verdadeira liberdade se acha na vida com Deus e é oferecida ao homem, por meio da fé em Jesus; e, o homem livre demonstra a sua liberdade no serviço a Deus e ao próximo.

Lutero resume o conceito bíblico de liberdade: “O cristão é um senhor de tudo, perfeitamente livre, sujeito a ninguém. O cristão é um servo perfeitamente cumpridor dos seus deveres, sujeito a todos”.

Paulo inicia a terceira e última parte da carta aos Gálatas, apresentando conselhos práticos no intuito de não destruirmos a liberdade que temos em Jesus. Por isso ele declara: Para a liberdade foi que Cristo nos libertou (Gl 5.1). A idéia de libertação vem do mercado de escravos romanos. Após o fim de uma guerra, os cativos eram levados ao mercado, onde podiam ser examinados e comprados. Nós éramos escravos do pecado e Jesus foi ao mercado das trevas e nos comprou, promovendo a nossa redenção (1Pe 1.18,19).Esta redenção foi paga pelo sangue de Jesus (Ap 5.9), remissão total e permanente (Rm 3.24) e sem a possibilidade de devolução do escravo comprado (Gl 3.13; Jo 10.28-30).

1. Vençamos as Duas Ameaças à Liberdade

Paulo inicia a terceira e última parte da carta aos Gálatas, apresentando conselhos práticos no intuito de não destruirmos a liberdade que temos em Jesus.

Há dois perigos que ameaçam a liberdade do cristão: o legalismo e a licenciosidade. Por isso Paulo declara: Para a liberdade foi que Cristo nos libertou (Gl 5.1). Precisamos permanecer firmes nesta liberdade. Firmes na fé (1 Co16.13), firmes no Espírito (Fp 1.27), firmes no Senhor (Fp 4.1) e firmes na liberdade (Gl 5.1).

Mas, como permanecer? Paulo apresenta duas maneiras:

Não vos submetais a nenhum tipo de escravidão (Gl 5.1-12)

Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão (Gl 5.1). Cristo nos libertou da prisão da lei, para vivermos em liberdade. Quando cremos em Cristo, saímos do jugo de servidão do pecado e tomamos o jugo de Jesus, que é leve e suave (Mt 11.28-30). Se o cristão deixa a graça e se submete ao legalismo, perde quatro bênçãos: Cristo de nada vos aproveitará (Gl 5.2), está obrigado a cumprir toda a lei (Gl 5.3), de Cristo vos desligastes (Gl 5.4) e da graça decaístes (Gl 5.6).

Paulo declara que ele e os irmãos que não deram ouvidos ao ensino legalista dos judaizantes, têm o Espírito Santo como fonte de sua energia espiritual: Porque nós, pelo Espírito, aguardamos a esperança da justiça que provém da fé (Gl 5.5). É o Espírito que produz vida (Gl 4.29; Rm 8.3,4,10), esperança (Rm 8.16; Ef 1.13), que produz liberdade (Gl 4.29 e 5.1; 2Co 3.17). Ele conclui: Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão, nem a incircuncisão têm valor algum, mas a fé que atua pelo amor (Gl 5.5,6).

Antes de combater a licenciosidade, Paulo fala sobre os falsos mestres judaizantes: (1) Eles impedem os crentes de correr a carreira cristã (Gl 5.7). (2) O chamado deles para que os crentes aderissem ao legalismo não procedia de Deus (Gl 5.8 e 1.6). (3) Eles contaminavam a igreja com o pecado do falso ensino, tal qual o fermento leveda a massa (Gl 5.9 e 1Co 5.6). (4) Eles perturbavam a igreja e criavam confusão na cabeça dos crentes (Gl 5.10 e 1.7). (5) Eles sofrerão o juízo de Deus por perverterem o evangelho da graça e perseguirem os verdadeiros pastores (Gl 5.10).

Não useis da liberdade para pecar ou dar ocasião à carne (Gl 5.13-15)

Não devemos transformar a liberdade numa oportunidade para pecar (1Co 6.12). A nossa liberdade não é uma licença para pecar, mas uma oportunidade para servir. Por isso Paulo ordena: Sede, antes, servos uns dos outros, pelo amor. Porque toda a lei se cumpre em um só preceito, a saber: Amarás o teu próximo como a ti mesmo (Gl 5.13,14). Salvos pela graça, devemos obedecer a lei de amar a Deus e ao próximo (Lv 19.18; Mt 22.39,40; Rm 13.8-10).

Quando não amamos uns aos outros, prevalecem as disputas e guerras pessoais. Paulo destaca: Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede que não sejais mutuamente destruídos (Gl 5.15). John Stott resume o comentário deste trecho em três frases: “Liberdade cristã não é liberdade para satisfazer a carne; liberdade cristã não é liberdade para explorar meu próximo; liberdade cristão não é liberdade para ignorar a lei.

2. Vençamos Pelo Espírito Santo – Gl 5.16-26

Paulo inicia a segunda parte do capítulo cinco, revelando que o segredo para desfrutarmos a plenitude da liberdade é andarmos no Espírito Santo. O verso 16 nos ensina três verdades: (1) Todo crente tem o Espírito Santo, o qual foi recebido no ato da sua conversão – Gl 3.2,3 e 5; 2Co 1.21,22. (2) Todo crente é pecador e tem impulsos para pecar – Rm 7.19-23; 1 Jo 1.5-2.2. (3) O Espírito Santo capacita o crente a vencer a carne e as tentações – Ef 5.18-21; Gl 5.16-21.

A vitória do Espírito sobre a carne deve ser vista de três maneiras:

A realidade do conflito (Gl 5.17)

Este conflito é entre dois adversários: a carne (os desejos da natureza humana pecaminosa) e o Espírito (a nova natureza ou a graça da regeneração), ou seja, a carne é o que somos por nascimento natural, e o Espírito o que nos tornamos pelo nascimento espiritual.

As evidências do conflito (Gl 5.19-25)

Cada natureza em conflito se evidencia por um tipo de comportamento. O querer ou a vontade da carne (Gl 5.19-21). A lista tem quinze elementos que podem ser classificados em quatro áreas: (1) Vida sexual: prostituição, impureza e lascívia. (2) Religião: idolatria e feitiçarias. (3) Relacionamento humano: inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções e invejas. (4) Alimentação: bebedíces e glutonarias (farras ou orgias).

O querer ou a vontade do Espírito Santo (Gl 5.22,23). Algumas lições importantes: (1) O fruto do Espírito indica que ele é produzido de forma sobrenatural, que ele se desenvolve de forma contínua e que ele é produzido para ser consumido ou experimentado. (2) O fruto do Espírito é uma infrutescência, ou seja, um fruto composto como o abacaxi ou a jaca. (3) O fruto do Espírito é composto por nove partes: amor, alegria e paz (aspectos da vida cristã relacionados a Deus); longanimidade, benignidade e bondade (relacionados ao próximo); fidelidade, mansidão e domínio próprio (relacionados à própria pessoa).

Observamos que o resultado desse conflito é que cada adversário quer impor a sua vontade (Gl 5.17), gerando um desespero no coração do crente (Rm 7.18-24). A solução para o conflito não é humana, mas divina: o poder do Espírito Santo.

• Aprendemos que nascemos pelo Espírito, vivemos para andar no Espírito e seremos vitoriosos se formos guiados pelo Espírito.

A solução para o conflito

1) Ser guiados pelo Espírito (Gl 5.18).

Viver sob a lei ou tentar vencer o conflito espiritual através da obediência de mandamentos significa derrota, escravidão, frustração e culpa (Rm 7.24). O segredo da vitória é ser guiado pelo Espírito, como um filho se submete ao seu pai (Rm 8.14-17).

2) Crucificar a carne ou a velha natureza (Gl 5.24). Trata-se do ato contínuo e diário do crente de “tomar a cruz” (Mc 8.34) ou fazer morrer a sua velha natureza (Cl. 3.5). O crente deve ser impiedoso com os seus velhos hábitos ou com a sua velha natureza.

 

3) Andar no Espírito (Gl 5.25). Se a origem da nossa vida é o Espírito, devemos permitir que o Espírito conduza os nossos passos. Ser guiado pelo Espírito é uma submissão passiva. Andar no Espírito é uma decisão ativa e proposital. Precisamos tomar a atitude de andar com Deus (Rm 4.12). Paulo encerra o capítulo apresentando três exemplos práticos de andar no Espírito: Não nos deixemos possuir de vangloria, provocando uns aos outros, tendo inveja uns dos outros (Gl 5.26).

 

 

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s