Sermão: Quando Deus conquista um coração…

Palavra ministrada pelo Pr Josias Na Igreja do Betel Brasileiro Geisel, no dia 14.09.2014

 

Quando Deus conquista um coração…

Atos 9

Introdução

A conversão de Saulo de Tarso, um dos principais perseguidores dos cristãos, foi, possivelmente, um dos maiores acontecimentos da Igreja depois da vinda do Espírito em Pentecostes.

O próximo grande acontecimento seria a conversão dos gentios (At10), dos quais Saulo (Paulo) se tornaria apóstolo.

Deus estava dando continuidade a seu plano de levar o evangelho a todo o mundo.

“Paulo era um homem importante”, disse Charles Spurgeon, “e não tenho dúvidas que, no caminho para Damasco, estava montado sobre um cavalo muito alto. Mas foram precisos apenas alguns segundos para mudar esse homem. Deus não demorou a coloca-lo em seu devido lugar!”

O relato da conversão de Saulo é apresentado por Lucas, três vezes em Atos, nos capítulos 9, 22 e 26.

 

A conversão de Saulo

1 Enquanto isso, Saulo não parava de ameaçar de morte os seguidores do Senhor Jesus. Ele foi falar com o Grande Sacerdote 2 e pediu cartas de apresentação para as sinagogas da cidade de Damasco. Com esses documentos Saulo poderia prender e levar para Jerusalém os seguidores do Caminho do Senhor que moravam ali, tanto os homens como as mulheres.

3 Mas na estrada de Damasco, quando Saulo já estava perto daquela cidade, de repente, uma luz que vinha do céu brilhou em volta dele. 4 Ele caiu no chão e ouviu uma voz que dizia: —Saulo, Saulo, por que você me persegue?
5 —Quem é o senhor? —perguntou ele. A voz respondeu: —Eu sou Jesus, aquele que você persegue.
6 Mas levante-se, entre na cidade, e ali dirão a você o que deve fazer.
7 Os homens que estavam viajando com Saulo ficaram parados sem poder dizer nada. Eles ouviram a voz, mas não viram ninguém. 8 Saulo se levantou do chão e abriu os olhos, mas não podia ver nada. Então eles o pegaram pela mão e o levaram para Damasco. 9 Ele ficou três dias sem poder ver e durante esses dias não comeu nem bebeu nada.

Ao olhar para Saulo na estrada (At 9:1, 2), vemos um homem zeloso que pensava estar, verdadeiramente, servindo a Deus ao perseguir a Igreja.

As cartas solicitadas por Saulo não somente serviriam de apresentação para ele, mas também lhe confeririam a autorização do sumo sacerdote para prender os seguidores de Cristo e trazê-los de volta a Jerusalém.

A maioria das sinagogas da Síria provavelmente reconhecia este direito de extradição. Saulo não estava somente indo para persegui-los, ele também estava indo para encontrar homens e mulheres e trazê-los de volta presos.

O Senhor não permitiu que o plano homicida simplesmente se desenrolasse. Quando Saulo estava prestes a entrar em Damasco, uma luz do céu brilhou ao seu redor (9:3). Saulo não conseguiu suportar o resplendor e caiu por terra, prostrado ou em posição de adoração.

Em seguida, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? (9:4). Em outras palavras, “Por que você continua a me perseguir?”.

A pergunta parece ter causado perplexidade em Saulo, que acreditava esta fazendo a vontade de Deus e defendendo a verdadeira religião da perniciosa influência dos seguidores de Jesus de Nazaré (22:3-4; 26:5; cf. tb. Fp 3:6). Ele sabia, contudo, que a voz era de alguém poderoso, de modo que perguntou: Quem és tu, Senhor? A resposta deve tê-lo surpreendido: Eu sou Jesus, a quem tu persegues (9:5). Ao perseguir os discípulos, Saulo estava perseguindo o próprio Jesus!

Mas, quem era Paulo?

Paulo tinha um berço religioso de gloriosa e exaltada tradição: Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; quanto à lei fariseu(Fp 3.5). Nasceu em Tarso, capital da Cilicia e importante centro cultural do Império, uma pequena Atenas para a aprendizagem. Lá Paulo se familiarizou com a filosofia e a poesia dos gregos. Por direito de nascimento, Paulo era cidadão romano. Foi educado aos pés do mestre Gamaliel em Jerusalém, onde recebeu a mais refinada educação cultural e religiosa (22.3). Era adepto da ala mais radical do judaísmo, a seita dos fariseus (22.3).

Warren Wiersbe afirma que, apesar de sua grande erudição (26.24), Paulo estava espiritualmente cego (2Co 3.12-18) e não compreendia o que o Antigo Testamento ensinava de fato sobre o Messias. Ele dependia da própria justificação, não da justificação de Deus (Rm 9.30— 10.13; Fp 3.1-10).

A conversão de Paulo é uma evidência incontestável do poder da graça soberana de Cristo. Paulo não se decidiu por Cristo; pois ele estava perseguindo a Cristo. Foi Cristo quem se decidiu por ele. Foi Cristo quem foi ao seu encontro. Foi Cristo que o alcançou com o seu amor. Foi Cristo quem o escolheu.

Então, de repente, Saulo estava no chão! (At 9:4). Não foi derrubado por uma insolação nem por um ataque de epilepsia, mas pelo encontro pessoal com Jesus Cristo. Por volta do meio-dia, viu uma luz resplandecente no céu (At 22:6) e ouviu uma voz dizer seu nome (At 22:6-11).

Os homens que estavam com ele também caíram por terra (At 26:14) e ouviram um som, mas não compreenderam as palavras proferidas do céu. Levantaram-se confusos (At 9:7) e ouviram Saulo dirigir-se a alguém, mas não conseguiram entender o que estava acontecendo. As coisas de Deus são misteriosas mesmo. O que Deus faz, pessoas comuns não podem entender, só aqueles a quem Deus se revela, é que podem acessar os mistérios de Deus.

A confrontação de Paulo com Cristo ressuscitado, na estrada de Damasco, transformou-o de um dedicado perseguidor da Igreja, em um fervoroso seguidor de Cristo. Só Deus é quem pode mudar corações. Precisamos confiar na capacidade que Deus tem para mudar vidas que achamos que nunca serão transformadas.

De repente, tudo aquilo em que Saulo tinha acreditado estava sendo destruído e substituído por uma nova verdade – a mesma verdade que ele vinha tentando extinguir.

O Senhor tinha uma incumbência especial para Saulo (At 2 6 :16 -18). O hebreu zeloso se tornaria o apóstolo aos gentios; o perseguidor se tornaria um pregador; e o fariseu legalista se tornaria o proclamador da graça de Deus. Até aquele momento, Saulo havia agido como um animal selvagem, lutando contra os aguilhões, mas se tornaria um vaso de hora, um instrumento usado pelo Senhor para pregar o evangelho até os confins da Terra. Que transformação!

A verdade que ele tentava destruir, abafar e anular era agora a mesma verdade que o dominava, que o inspirava e que dava novo sentido a sua existência. Deus fez de um perseguidor, agora um defensor da Igreja.

 


10 Em Damasco morava um seguidor de Jesus chamado Ananias. Ele teve uma visão, e nela apareceu o Senhor, chamando: —Ananias! Ele respondeu: —Aqui estou, Senhor! 11 E o Senhor lhe disse: —Apronte-se, e vá até a casa de Judas, na rua Direita, e procure um homem chamado Saulo, da cidade de Tarso. Ele está orando 12 e teve uma visão. Nela apareceu um homem chamado Ananias, que entrou e pôs as mãos sobre ele a fim de que ele pudesse ver de novo.
13 Ananias respondeu: —Senhor, muita gente tem me falado a respeito desse homem e de todas as maldades que ele fez em Jerusalém com os que crêem no Senhor. 14 E agora ele veio aqui a Damasco com autorização dos chefes dos sacerdotes para prender todos os que te adoram.
15 Mas o Senhor disse a Ananias: —Vá, pois eu escolhi esse homem para trabalhar para mim, a fim de que ele anuncie o meu nome aos não-judeus, aos reis e ao povo de Israel. 16 Eu mesmo vou mostrar a Saulo tudo o que ele terá de sofrer por minha causa.
17 Então Ananias foi, entrou na casa de Judas, pôs as mãos sobre Saulo e disse: —Saulo, meu irmão, o Senhor que me mandou aqui é o mesmo Jesus que você viu na estrada de Damasco. Ele me mandou para que você veja de novo e fique cheio do Espírito Santo.
18 “No mesmo instante umas coisas parecidas com escamas caíram dos olhos de Saulo, e ele pôde ver de novo. Ele se levantou e foi batizado;”

Ananias era um judeu devoto (At 22:12) que cria em Jesus Cristo. Conhecia a reputação de Saulo e sabia que o fariseu estava a caminho de Damasco para prender cristãos.

Mas Deus revela a Ananias que Paulo é um vaso escolhido para testificar ao mundo gentílico. Sem dúvida alguma, a obediência de Ananias contribuiu para que Paulo pudesse receber a mensagem de Deus.

Quando essa mensagem chegou a Ananias deve ter parecido uma loucura, Deus ter lhe dito: “Vá e ajude o homem que veio para pôr você numa prisão e que poderia até assassina-lo.”

Ananias poderia ter-se aproximado de Paulo com suspeitas, como alguém que está realizando uma tarefa que lhe desgosta; poderia ter começado muito bem com recriminações e o culpando; mas não o fez; suas primeiras palavras foram: “Irmão Saulo”. Que boas-vindas havia nessas palavras! É um dos exemplos mais sublimes do amor e perdão cristãos.

A essência do cristianismo é o perdão. Em Cristo, Paulo e Ananias, homens que antes estavam em lados completamente opostos, agora poderiam andar como irmãos.

Para que Ananias não tivesse qualquer dúvida, Deus lhe deu algumas evidencias de que Paulo tinha sido transformado. Deus lhe disse que ao encontrar Paulo, ele estaria orando. Que coisa tremenda! O perseguidor da igreja é encontrando orando, clamando ao pai.

Quem nasce de novo tem prazer de clamar: Aba Pai. Quem é salvo tem prazer na comunhão com o Pai. Paulo é convertido e logo começa a orar.

John Stott destaca o fato de que a mesma boca que havia respirado ameaças de morte contra os discípulos do Senhor (9.1) agora respirava louvores e preces a Deus.

A segunda evidencia que Deus dá a Ananias de que Paulo estava transformado é que em sua conversão Paulo recebe o Espírito Santo.

Ananias impõe as mãos sobre Paulo, que fica cheio do Espírito Santo. Charles Spurgeon disse que é mais fácil convencer um leão a ser vegetariano do que uma pessoa ser convertida sem a ação do Espírito Santo.

A terceira é ultima prova de que Paulo o coração de Paulo tinha sido conquistado por Deus é que ele quis o batismo. (9:18)

O batismo é um testemunho público da salvação. Uma pessoa que crê precisa ser batizada e integrada à igreja.

Conclusão

Quero finalizar esta palavra ressaltando que algumas coisas tremendas aconteceram ainda, neste encontro entre Paulo e Ananias.

Ananias chamou Paulo de irmão, no verso 17. O perseguidor da igreja, era agora chamado de irmão Saulo. Deus faz assim! Ele tem o poder de atrair nossos inimigos com seu amor e os transformar em nossos aliados e irmãos.

A visão de Paulo, acerca de Deus mudou. O texto diz, no verso 18, que após receber o Espirito, escamas espirituais, que estavam nos olhos do apostolo, caíram. Paulo agora passa a ver Deus como ele é. Paulo agora consegue entender claramente o plano de Deus e o propósito do evangelho revelado em Cristo.

Muitas vezes lutamos contra pessoas tentando convence-las, mas entendamos que a obra do convencimento é de Deus. E Ele quem tiras as vendas que estão nos olhos de muitos cegos espirituais. É ele quem conquista corações.

Deus nos abençoe em Cristo.

Pr Josias Moura de Menezes

 

One thought on “Sermão: Quando Deus conquista um coração…

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s