Sermão. Tema: CULTOS DE COMUNHÃO OU DE CONFUSÃO?

CULTOS DE COMUNHÃO OU DE CONFUSÃO?

I coríntios 11:17ss

INTRODUÇÃO

A ceia do Senhor (11.20) é uma representação visível da morte de Cristo por nossos pecados. Ela nos faz recordar a morte de Cristo e a esperança gloriosa de sua volta. Nossa participação, fortalece nossa fé através da comunhão com Cristo e o companheirismo com outros crentes.

Nestes versos, Paulo reconhece que pudessem existir diferenças entre os membros da igreja. Mas, quando diferenças se transformam em divisões estas resultem em consequências nocivas à congregação. Aqueles que causam divisão só servem para destacar aos crentes genuínos.

O apostolo introduz os versos 17, falando sobre atitudes dos cristãos da igreja em Corinto com as quais ele não podia concordar, pois não traziam edificação para o corpo de Cristo.

Paulo então diz, que nas reuniões dos crentes de Corinto, não se promoviam entre eles a edificação e crescimento mútuo, mas ao contrário, conflitos que em nada edificavam.

As palavras do apostolo Paulo, ditas nestes versos, nos fazem lembrar daquilo que o apostolo Pedro dizia aos crentes, quando se encontrava preocupado com a ação de falsos cristãos na igreja:

Judas 1:12: "Quando esses homens se juntam a vocês nas festas fraternais da igreja, são manchas malignas no meio de vocês, gargalhando e dando escândalo, comendo gulosamente e empanturrando-se, sem se preocuparem com os outros. São como nuvens sem chuva que o vento carrega sobre a terra seca, prometendo muito mas não realizando nada. São como árvores frutíferas, sem nenhum fruto na ocasião da colheita. Não estão apenas mortos, mas duplamente mortos, pois foram arrancados, com raízes e tudo, para serem queimados."

Algo importante a se esclarecer é que conflitos sempre revelam quem são de fato aqueles que são de Deus. (v.19) Quem é de fato filho de Deus, na hora de conflitos, busca em Deus a sabedoria para resolve-los.

UMA CELEBRAÇÃO QUE NÃO GLORIFICAVA A DEUS

Paulo exorta a igreja em Corinto dizendo que suas reuniões de celebração nao glorificavam mais a Deus.

Paulo diz isto a estes irmãos, porque cada um celebrava seu próprio banquete sem pensar nas necessidades dos irmãos que eram mais humildes. (v.22). Essa atitude envergonhava a igreja de Corinto e quebrava a comunhão que deveria ser mais vivenciada na igreja. Esta atitude era uma demonstração de desprezo para com aqueles que eram mais humildes.

MAS QUAL E A CELEBRAÇÃO QUE AGRADA A DEUS?

A partir do verso 23, Paulo ira instruir a igreja, sobre como realizar uma celebração viva e agradável a Deus.

O primeiro princípio ensinado é que eles deveriam celebrar como Jesus havia ensinado. V.23. Jesus havia ensinado o princípio da comunhão estabelecido no corpo e sangue de Cristo.

Em Lucas 22:19, Jesus estabelece o princípio da comunhão fundamentado no corpo: “depois que deu graças a Deus, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: "Isto é o meu corpo, entregue por vocês. Comam dele para se lembrarem de Mim”.

Na sequência do relato de Lucas, estabelece o fundamento da comunhão que temos com Ele pelo sangue: “Depois da ceia Jesus deu a eles outro cálice de vinho, dizendo: "Este vinho é o sinal do novo pacto de Deus para salvar vocês – um acordo garantido pelo sangue que Eu derramarei para comprar de volta as almas de vocês.”

Jesus estabelece aqui, que a celebração que agrada ao Pai, está fundamentada na comunhão com o sacrifício do filho. Em Ex. 24: 8, vemos Moises aspergindo o sangue sobre o altar. E Ali ele declara: “Este é o sangue da aliança que o Senhor fez com vocês…”.

Assim a celebração que agrada a Deus é aquela que está fundamentada na consciência que temos do valor do sacrifício de Cristo, e de seu sangue e corpo oferecidos na cruz.

MAS COMO FAZER UMA CELEBRAÇÃO QUE AGRADE A DEUS?

Paulo dá instruções específicas relacionadas a forma em que devemos celebrar a ceia do Senhor:

(1) Deveríamos participar da ceia do Senhor com uma atitude de arrependimento porque recordamos que Cristo morreu por nossos pecados (11.26).

(2) Deveríamos tomá-la dignamente, com reverência e respeito (11.27).

(3) Deveríamos nos examinar a nós mesmos para ver se temos algum pecado sem confessar ou alguma atitude de ressentimento (11.28).

(4) Deveríamos considerar a outros (11.33), esperando até que todos estejam participando dela em ordem e em unidade.

(5) Devemos ceiar, com uma consciência clara do que ela significa pra nós. V.29

CONCLUSÃO

Não banalizemos o sacrifício de Cristo com nossa forma de viver. Sejamos fieis e Ele, pois Ele tem nos abençoado.

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s