ESTUDO: A ASSISTÊNCIA DO ESPIRÍTO SANTO AOS FIEIS NAS PERSEGUIÇÕES (ESTUDO BÍBLICO PARA O CULTO DE DOUTRINA DA IGREJA DO BETEL GEISEL)

A ASSISTÊNCIA DO ESPIRÍTO SANTO AOS FIEIS NAS PERSEGUIÇÕES

Texto Básico: At 5.27-32; 40-42 Texto Áureo: Lc 12.12 Texto Devocional: Rm 8.16,17

INTRODUÇÃO

A igreja, historicamente fundada no dia de Pentecoste, com a manifestação do Espírito Santo, num derramamento sem precedentes, contou com um grupo de discípulos que foram revestidos de poder para testemunhar ousadamente.

O Espírito de Deus operou neles de tal maneira, que não temiam as ameaças dos inimigos de Cristo, mesmo que lhes custasse a própria vida: “Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram, e, mesmo em face da morte, não amaram apropria vida” (Ap. 12.11).

No estudo bíblico desta semana, veremos a assistência do Espírito Santo aos discípulos de Jesus, dando-lhes o poder e capacitando-os para ter grande desenvoltura na vida espiritual.

I. ATRAVES DA ASSISTÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO OS PERSEGUIDOS RESISTIAM

A presença do Espírito Santo na vida dos discípulos os fortalecia, especialmente nas horas difíceis de perseguição e sofrimento:

1. Fortalecia-os na fé. “E se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo Espírito que em vós habita” (Rm. 8.11). A presença do Espírito Santo nos dá confiança para resistirmos as perseguições, sabendo que o mesmo Espírito que ressuscitou a Cristo dentre os mortos pode nos ressuscitar, se viermos a tombar diante dos nossos algozes.

2. Capacitava-os para perdoar. Estêvão era um homem cheio do Espírito Santo (At 6.5). A assistência do Espírito Santo era tão real na hora do seu julgamento, que seu rosto brilhava como o de um anjo (At 6.15). “Então lhe perguntou o sumo sacerdote: Porventura é isto assim? (At 7.1). E Estêvão fez a sua defesa com base nas Escrituras. Estêvão foi o primeiro mártir do cristianismo. Na hora do seu apedrejamento, pôs-se de joelho e clamou com alta voz: “Senhor, não lhes imputes este pecado. Com estas palavras adormeceu” (At 7.60). A assistência do Espírito Santo na hora do sofrimento nos capacita a perdoar.

3. O Espírito testifica. Na hora do sofrimento por causa de Cristo, “o próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo: se com ele sofrermos, para que também com ele sejamos glorificados” (Rm. 8.16,17).

II. PELA ASSISTÊNCIA DO ESPÍRITO ELES IMPRESSIONAVAM SEUS ALGOZES

Não precisamos ficar solícitos pelo que havemos de dizer diante das autoridades, porque o Espírito Santo nos assiste, colocando em nossos lábios as palavras certas para serem pronunciadas (Mc 13.9-11).

1. Pedro e João, perante o Sinédrio. “Chamando-os, ordenaram-lhes que absolutamente não falassem nem ensinassem em nome de Jesus. Mas Pedro e João lhes responderam: Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das cousas que vimos e ouvimos” (At 4.18-20), Seria muito cômodo para os apóstolos dizerem: sim, não falaremos mais, nem ensinaremos em nome de Jesus. Mas o que eles disseram, de onde veio? Foram palavras ungidas, ministradas pelo Espírito Santo! Cumpriu-se ali a previsão de Jesus, feita em Mc 13.9-11.

2. Estêvão, diante de seus algozes. Voltemos ao exemplo do diácono Estêvão. Diante dos seus inimigos, estando cheio do Espírito Santo, disse: “Eis que vejo os céus abertos e o Filho do homem em pé à destra de Deus” (At 7.56). Estas palavras têm uma unção muito grande do Espírito Santo. Ele estava presente no martírio de Estêvão. A multidão ficou impressionada com aquelas palavras e gritou bem alto, tapando os ouvidos, porque não podia resistir à unção com que Estêvão falava (v. 57).

3. Paulo, no final de sua carreira. Paulo foi um dos mais destacados apóstolos do Senhor Jesus. Homem marcado pelo sofrimento. Vivendo os seus últimos dias de vida, escreveu a Timóteo, dizendo: “Quanto a mim, estou sendo já oferecido por libação, e o tempo da minha partida é chegado. Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda” (2Tm 4.6-8). Paulo, diante da visão da morte, tinha palavras ungidas pelo Espírito Santo de Deus para confortar o jovem pastor Timóteo, e para nos dar inteira confiança em Deus. Não importa como serão os nossos últimos dias. Temos a certeza de que o Espírito Santo nos assistirá em qualquer circunstância.

III. PELA ASSISTÊNCIA DO ESPÍRITO, ELES DAVAM TESTEMUNHO

O poder o Espírito operava nos discípulos de tal modo que davam, testemunho e milhares eram conduzidos a Cristo. No dia de Pentecoste, o Espírito Santo inaugurou o seu ministério neotestamentário. Os apóstolos eram assistidos pelo Espírito Santo no seu testemunho cristão (At 2.1-4).

1. Quase três mil almas agregadas (At 2.41). No dia de Pentecoste, “todos ficaram cheios do Espírito Santo” (At 2.4). Pedro testemunhou, na unção do Espírito Santo, sobre a pessoa de Cristo:

a. Falou do derramamento do Espírito Santo como cumprimento da profecia de Joel (J1 2.28-32);

b. Testemunhou de Jesus como varão aprovado por Deus, que foi morto, mas ressuscitou e foi exaltado à destra de Deus. E tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou todo o poder que estavam experimentando (At 2.14-36).

c. Mediante este testemunho, houve arrependimento. Pedro fez o apelo: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado…” (At 2.38). Os que de bom grado receberam a palavra foram batizados, agregando-se à igreja quase três mil almas. Quando o Espírito Santo assiste o testemunho cristão, milhares de pessoas se convertem, Isto tem acontecido na experiência dos Grandes Avivamentos.

2. Os convertidos já eram “multidão”. Sinais e prodígios eram feitos pelas mãos dos apóstolos. A multidão dos que criam no Senhor, tanto homens como mulheres, crescia cada vez mais (At 5.14).

3. Filipe prega com poder em Samaria. Filipe evangelizava em Samaria, no poder do Espírito Santo. Os ouvintes criam na palavra pregada por Filipe e eram batizados (At 8.12,13). A ação do Espírito Santo era tão grande em Samaria, que chegou aos ouvidos dos apóstolos em Jerusalém. Estes enviaram Pedro e João (At 8.14), “os quais, descendo para lá, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo; porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles… Então lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo” (At 8.15-17).

CONCLUSÃO

“Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos’’ (2Tm 3.12). Testificar de Cristo é se dispor a ser mártir. Todavia a assistência do Espírito Santo diante dos nossos algozes é uma realidade. No mundo há oposições, perseguições, dificuldades, mas há também milhares de almas para serem salvas.

Vá e pregue a Palavra no poder do Espírito Santo! O Espírito de Deus está conosco.

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s