Estudo Bíblico para o culto de doutrina da Igreja Betel Brasileiro Geisel. Tema: A doutrina Cristã acerca da morte e do estado Intermediário.

Estudo ministrado pelo Pr Josias Moura no culto de doutrina

A doutrina Cristã acerca da morte

e do estado intermediário

I coríntios 15:55-57

"Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?" I Cor. 15: 55

INTRODUÇÃO

O texto de Gênesis 2: 17 é o primeiro nas Escrituras que faz alusão à morte. Ela aparece como punição por causa do pecado. Essa idéia é confirmada por Paulo em Romanos 5: 12; 6: 23. Ela é vista em I Co. 15: 26 como uma inimiga, a qual Cristo finalmente destruirá, ICo 15: 26.

É importante destacar que as Escrituras não falam da morte como fim da existência humana. Jesus refere-se à morte física como "morte do corpo", Mt 10: 28; Lc 12: 4, para distinguir da morte da alma (referência à separação de Deus). Paulo refere-se à morte como "lucro", porque significava para ele estar com Cristo.

Morte é a separação entre o espírito ou a alma e o corpo, Ec. 12: 7. Para os salvos, a morte é a passagem para a vida eterna com Cristo, 2 Co. 5: 1; Fp 1: 23.

No estudo de hoje, examinaremos os ensinos bíblicos sobre o que acontece aos seres humanos depois que morrem.

I – A MORTE A SERVIÇO DO CRISTÃO

A morte nos alcança por vivermos em um mundo caído, onde os resultados do pecado não fo­ram eliminados. Deus usa a experiência da morte para completar a nos­sa salvação. A morte não nos separa de Cristo, mas nos leva à sua presença, 2Co. 5: 8.

Paulo declarou em Fp 1: 23: "Ora, de um e outro lado, estou constrangido, ten­do o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incom­paravelmente melhor."

A morte completa nossa união com Cristo. Ao morrer o cristão está livre da corrupção do mundo e desfruta da presença do Salvador. O corpo volta ao pó, mas o espírito volta imediatamente para Deus.

II – O QUE ACONTECE QUANDO AS PESSOAS MORREM?

a) Os salvos vão para a presença de Deus. Quan­do Paulo reflete sobre a morte, diz que seu desejo é "partir e estar com Cristo, o que é muito melhor", 2Co 5: 8; Fp 1: 23.

A Bíblia não ensina o chamado "sono da alma". Segun­do essa doutrina, quando as pessoas morrem entram em estado de existência inconsciente. Ela ensina que a alma permanecerá em repouso. O suporte para esse pensamento tem sido geralmente encontrado no fato de que a Escritura diversas vezes fala do estado dos mortos como de um sono ou de "adorme­cer": Mt 9: 24; 27: 52; Jo 11: 11; At 7: 60; 13:36; ICo 15: 6, 18, 20, 51; 1Ts.4: 13; 5: 10. Porém, quando a Escritura apresenta a morte como sono, trata-se simplesmente de uma expressão metafóri­ca usada para indicar que a morte é somente temporária para os cristãos, exatamente como o sono é temporário. Assim a doutrina do “sono da alma” é errada a luz da Bíblia.

Mas, o que observamos nas escrituras é que os mortos ficam conscientes após a morte física. Na parábola do rico e Lázaro, os mortos estão em estado de consciência.

b) Os ímpios vão para o sofrimento, afastados da presença de Deus. A Escritura nunca nos encoraja a pensar que as pessoas terão outra oportunidade para entregar-se a Cristo após a morte. A parábola de Jesus a respeito do rico e de Lázaro não dá esperança alguma de que as pessoas possam passar do sofrimento para o gozo eterno após terem morrido, embora o rico, estan­do no sofrimento, houvesse pedido ajuda. Lc 16: 24-26.

O livro de Hebreus associa a morte ao julgamento, em uma seqüência imediata: "E, assim como aos ho­mens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo", Hb 9: 27. A Escritura nunca apresenta o juízo final como dependente de qualquer coisa feita após a nossa morte, mas dependendo so­mente do que aconteceu nesta vida, Mt 25: 31-46; Rm 2: 5-10; cf. 2Co 5: 10.

Embora os descrentes passem para o estado de puni­ção eterna imediatamente após a morte, o corpo deles não será ressuscitado até o dia do juízo. Naquele dia, o corpo será ressuscitado e comparecerão perante o trono de Deus para o juízo final, Mt 25: .31 46: Jo 5: 28.29; At 24: 15; Ap 20: 12, 15. E alí, cada um deles será julgado pelas suas obras.

c) A doutrina do purgatório. Para os católicos, as almas que não estão perfeitamente limpas, mas se acham carregadas com os pecados veniais e que não hajam recebido o merecido castigo temporal por seus pecados, devem submeter-se a um processo de purifi­cação no purgatório.

As Escrituras não ensinam a existência do purgatório. A igreja Católica Romana retirou o apoio para essa dou­trina do livro apócrifo 2 Macabeus 12: 42 45. A doutrina do purgatório contraria a teologia cristã. O ensino explíci­to do NT é de que somente Cristo fez expiação por nós.

Os que aceitam a doutrina do purgatório estão afir­mando que devemos acrescentar alguma coisa à obra re­dentora de Cristo e que sua obra não foi suficiente para pagar a penalidade de todos os nossos pecados.

A doutrina do purgatório foi aceito como dogma da Igreja Católica no Concilio de Florença, em 1439. A doutrina tem origem no paganismo. Essa doutrina rouba aos crentes o grande conforto que lhes deveria pertencer por saber que os que morreram foram imediatamente para a presença do Senhor e por saber que eles também, quando morrerem, partirão e estarão "com Cristo, o que é muito melhor", Fp 1: 23.

d) Não devemos orar pelos mortos. A oração pe­los mortos é ensinada no livro apócrifo de 2 Macabeus 12: 42-45. Em nenhum lugar da Bíblia há esse ensino. Além disso, não há indicação alguma de que essa tenha sido a prática dos cristãos no tempo do NT. A recompensa celes­te final será baseada em atos praticados nesta vida, como a Escritura repetidamente testifica, I Co. 3: 12-15; 2Co 5: 10.

Ensinar que devemos orar pelos mortos ou incentivar outros a fazer isso, seria encorajar a falsa esperança de que o destino das pessoas pode ser mudado após a morte delas.

CONCLUSÃO

Somos finitos aqui neste mundo, e a morte é uma realidade inevitável, e haveremos de enfrenta-la. Assim sendo, confiemos em Deus, pois Ele promete cuidar daqueles que são seus na eternidade.

Eis a promessa que Jesus nos faz em João 5:24: “Em verdade em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida.”

Na próxima semana prosseguiremos em nossos estudos. Examinaremos as declarações de Cristo acerca do fim do tempos. Não falte.

Pr. Josias Moura de Menezes

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s