Sermão: Quando Deus adia a realização dos nossos sonhos

Texto Base: I Samuel 1

1.  Introdução

Edmund Hillary foi um grande esportista da Nova Zelândia. Ele tinha um sonho ousado: escalar a montanha mais alta da terra, o monte Everest, com mais de 8.800 metros. Preparou-se, treinou e partiu para a sua inusitada empreitada em 1952. Contudo, não logrou êxito em sua tentativa. Seu sonho não se realizou. Tempos depois, foi convidado para fazer uma palestra para um grupo de pessoas na Inglaterra. Chegando ao grande auditório, percebeu que propositadamente, haviam colocado uma grande gravura do monte Everest na parede. Ao ver a imponência majestosa do quadro, abaixou a cabeça e dirigiu-se silencioso para a plataforma. Ao levantar-se para proferir o seu discurso, Hillary deixou por um momento os seletos ouvintes, dirigiu-se ao painel, olhou firmemente para a gravura do Monte Everest e disse: “Everest, tu me derrotaste da primeira vez, mas tu já cresceste tudo quanto podias crescer. Eu ainda estou crescendo. Da próxima vez, eu te vencerei.”

Em 29 de maio de 1953, às 11h, apenas um ano depois, Edmund Hillary era o primeiro homem da história a chegar ao topo do Monte Everest.  Em função disso, ele recebeu a mais alta condecoração oferecida pela Rainha da Inglaterra. Ele não desistiu do seu sonho.

Ele não sepultou o seu sonho na cova da impossibilidade. Ele não lavrou um epitáfio para o seu sonho, quando enfrentou o primeiro fracasso, dizendo: “Aqui jaz o meu sonho”.

2.  Você também tem sonhos. Muitos sonhos alimentaram o seu coração e o mantiveram vivo em tempos de crise.

Talvez alguns dos seus sonhos se tenham perdido ao longo do caminho. Talvez, outros sonhos se tenham transformado em pesadelos. Ou, quem sabe, você já sepultou na cova do esquecimento alguns dos seus melhores sonhos. Talvez até mesmo já desistiu de alguns que durante muitos anos o mantiveram cheio de esperança.

Quero desafiar você a resgatar aqueles sonhos que já estão no arquivo morto da sua história. Encorajo você a abrir os arquivos da sua memória e trazer à lume sonhos há muito esquecidos. Creio que muitos deles poderão ressurgir das cinzas.

3.  Creio que o Deus dos impossíveis pode ressuscitar seus sonhos.

Ele chama à existência as coisas que não existem. Para ele não há coisa demasiadamente difícil. Tudo é possível ao que crê. Não se conforme com a decretação do fracasso em sua vida. Você foi predestinado para ser um vencedor.

Não desanime, espere em Deus, ainda que contra todas as expectativas. O Senhor pode realizar um milagre em sua vida. Ele não abdicou do seu poder. Ele está assentado na sala de comando do universo, dirigindo a história. Ele conhece a sua vida e pode mudar hoje a sua sorte. Não desista de sonhar!

4.  O texto de I Samuel 1 nos fala de uma mulher que tinha um sonho. Ana era uma pessoa piedosa que amava a Deus.

Era casada com Elcana. Mas havia um vazio na vida de Ana: ela não tinha filhos. Seu grande projeto de vida era dar à luz um filho. O seu sonho era legítimo, puro, digno. Ela queria ser mãe; mas era estéril. Na sua cultura, a esterilidade era uma maldição, uma vergonha, uma desgraça.  Por causa disso, Ana capitulou-se à tristeza e à depressão. Ela chorava copiosamente e seu semblante descaiu. Ela não conseguia comer. Sua dor era profunda. As palavras já não brotavam dos seus lábios. Só conseguia balbuciar seus gemidos diante de Deus.

Mesmo em intensa angústia, Ana não entregou os pontos, não se conformou passivamente com a situação. Ela reagiu e lutou com galhardia pelo seu sonho.

Mas por que Ana era estéril? Por que seu sonho de ser mãe estava sendo adiado? Por que foi vitimada por uma doença incurável, que carregava um profundo peso de ostracismo social? A doença de Ana não era provocada por um pecado que ela teria cometido. Também não se originava de alguma maldição hereditária nem muito menos resultado de ação satânica.

O texto bíblico é claro em afirmar que Deus a deixou estéril (v. 5) e que o próprio Senhor cerrou a sua madre (v. 6). Muitos hoje pensam equivocadamente que toda doença tem procedência maligna. Esse não é o ensino das Escrituras. Nesse caso, o agente da doença de Ana é o Senhor. Deus mesmo a fez estéril.

5.  No caso de Ana, Deus mesmo adiou o seu sonho.

A mão de Deus está presente como protagonista desta história de dor e lágrimas. Mas, por quê?

É um grande mistério entender como e porque os nossos sonhos legítimos são adiados.  Esse será o centro da nossa atenção a partir de agora.

Por que Deus, sendo amoroso e misericordioso, nos permite passar por situações dolorosas? Por que, às vezes, ele é o próprio agente dessas situações amargas? Por que, Deus sendo tão bom, adia a realização dos nossos sonhos mais acalentados? Deus não é sádico. Ele não tem prazer em ver os seus filhos sofrendo. Ele sempre tem o melhor para nós. Se um filho lhe pede um pão, ele não lhe dá uma pedra (Lc 11.11).

Mas então por que ele adia a realização dos nossos sonhos? Talvez esse seja o grande dilema da sua alma: ver os seus sonhos sendo arrastados na correnteza do tempo.

Como Ana, você tem projetos claros, sonhos legítimos, mas eles não se concretizam. Você luta, mas não vê os seus desejos cumpridos. A Bíblia diz que a esperança que se adia adoece o coração (Pv 13.12). Talvez você já esteja cansado de esperar.

Como Ana, você já está entrando num processo de depressão. Não consegue mais comer, só chorar; não consegue trazer no rosto a beleza de um sorriso, pois o seu semblante já descaiu. É a batalha do vestibular que já foi perdida tantas vezes; é a aspiração de ingressar numa faculdade, mas faltam os recursos financeiros; é o projeto do casamento que se adia; é o desejo de ver o cônjuge convertido; é o sonho de ver os filhos consagrados a Deus; é o anelo de conseguir a sua estabilidade financeira; é o plano de ter uma família unida pelos laços do amor.

Você olha para as circunstâncias, entretanto, e não vê mudança. Olha para a banda do mar não vê sequer uma nuvem. As circunstâncias conspiram contra o seu desejo. A situação troveja aos seus ouvidos uma única mensagem: Não existe jeito. Não há saída. Não há solução à vista.

Contudo,quando parecer que nada esta acontecendo, lembre-se que com Deus no controle uma grande vitória já está sendo preparada.

Entenda que nossa vida não está solta ao léu, sem rumo. Não somos guiados por um destino cego. Não somos jogados de um lado para o outro ao sabor das circunstâncias. Nossa vida está nas mãos do Rei do universo.

Ele é Todo-poderoso, é bom e fiel em todas as suas obras. Ele trabalha de tal forma em nossa vida que todas as coisas cooperam para o nosso bem. Ele sabe o que faz com a sua vida. Ele está no leme, não tenha medo da tempestade. Ele está no controle da sua história, não se desespere. Ele pode o impossível, não desista de seus sonhos. Mas, Ele tem demasiadas razões para adiar a realização dos seus sonhos.

6.  É aqui eu gostaria que você entendesse porque Deus adia a concretização de alguns dos nossos sonhos.

6.1    Deus adia os nossos sonhos Para que compreendamos que o Deus das bênçãos é melhor do que as bênçãos de Deus

Os problemas nos aproximam de Deus. É no vale que olhamos com mais intensidade para as alturas. E na crise que recorremos com mais pressa a Deus. Quando os nossos sonhos não se realizam, temos necessidade de buscar a Deus.

É nessas horas que aprendemos a profunda lição que Deus adia os nossos sonhos para que o coloquemos em primeiro lugar em nossa vida. O Deus das bênçãos é melhor do que as bênçãos de Deus. A intimidade de Deus é a maior necessidade da nossa vida. Estar com Deus é a maior prioridade da nossa agenda.

Os problemas não vêm para nos afastar de Deus, mas para nos levar à presença divina. Eles não são permitidos ou mandados por Deus para nos destruir, mas para gerar em nós dependência do Altíssimo. Deus adia a realização dos nossos sonhos para nos manter perto dele e nos ensinar que tudo, sem ele, é nada.

Não aprendemos as maiores lições da vida em dias de festa, mas na escola do sofrimento. É no vale que aprendemos as mais profundas lições da vida. É quando os nossos recursos se esgotam que conhecemos a providência do Jeová Jiré. E quando temos consciência de que o homem é homem, é que sabemos que Deus é Deus. E quando somos fracos que somos fortes.

Sonhos não realizados, desejos não satisfeitos, via de regra, nos levam à presença de Deus. Deus trabalha em nossa vida de tal forma que um sofrimento ou provação se transforma em bem para nós. O sofrimento não é um fim em si mesmo.

O sofrimento é pedagógico, tem um propósito positivo. As tribulações produzem paciência, e a paciência deságua numa profunda experiência com Deus (Rm 5-3-5). Devemos, por isso, nos alegrar ao atravessar várias provações (Tg 1.2), pois elas nos colocam quebrantados, humildes e dependentes do Deus Todo-poderoso.

Tenhamos irmãos, a plena certeza de que é Deus quem está assentado no trono. Só ele é soberano. Ele faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade. Ele não aceita ser pressionado. Ele não tolera imposições. A única coisa que nos cabe é nos lançar humildemente aos seus pés sabendo que quando os nossos sonhos são adiados é porque Deus quer nos ensinar a lição de que ele é melhor do que suas bênçãos. A nossa maior necessidade não é de coisas, mas de Deus!

6.2    Deus adia os nossos sonhos para que reconheçamos que os sonhos de Deus são maiores do que os nossos sonhos

O sonho de Ana era muito pequeno. Suas aspirações não eram suficientemente ousadas. Ela queria apenas ver o seu ventre transformando-se num cenário de vida. Ela só aspirava gerar uma criança, carregar no colo um filho e amamentar um rebento.

Mas, Deus não realizou o sonho de Ana no seu tempo, porque tinha algo maior para fazer em sua vida. Os pensamentos de Deus são mais elevados do que os nossos pensamentos. Os sonhos de Deus são maiores do que os nossos sonhos.

O sonho de Deus para Ana não era apenas que ela fosse mãe, mas mãe do maior profeta daquela geração. Samuel não seria um homem comum, mas aquele que traria o povo de Israel de volta para Deus, o último e o maior juiz de Israel. Samuel seria o homem que restauraria a credibilidade do sacerdócio tão desgastado com o ministério repreensível de Hofni e Fineias. Samuel seria o grande instrumento que Deus usaria para ungir Saul como o primeiro rei de Israel e Davi como o seu sucessor.

Quando pensamos que Deus está distante ou indiferente aos anseios mais profundos da nossa alma, quando achamos que ele não se importa com a realização dos nossos sonhos, ele está trabalhando em nós e por nós, fazendo maravilhas maiores do que poderíamos imaginar.

O Senhor cavalga nas alturas para a nossa ajuda (Dt 33.26). Não há Deus como ele, que trabalha para aqueles que nele esperam (Is 64). Deus trabalha no turno da noite. Ele faz hora-extra para aqueles que esperam nele. Aos seus amados, ele os dá enquanto dormem (Sl 127.2). Mesmo quando você tem a sensação de que está sozinho na caminhada da vida, ele está carregando você no colo. Mesmo quando você sente que as coisas perderam o rumo, ele está no controle total da situação.

Quando os discípulos de Jesus estavam assombrados no mar da Galiléia, exaustos de remar, batidos por ventos contrários, fustigados por ondas furiosas, na iminência de um desastroso naufrágio, Jesus aproximou-se deles, na quarta vigília da noite, andando por sobre as ondas e mostrando-lhes que, as mesmas ondas que conspiravam contra eles estavam rigorosamente debaixo dos seus pés.

O que nos ameaça e instila medo no nosso coração está sob os pés do Senhor. Ele é maior do que as nossas tempestades. Ele não se apavora com os problemas que nos entrincheiram. Ele não perde o leme do nosso barco no fragor da tempestade. Quando o Senhor nos permite passar por uma prova amarga, não é para nos ver sofrendo simplesmente. Ele não tem prazer em nosso sofrimento. Ele não é sádico. O propósito do Senhor é mostrar-nos o seu poder e acalmar o nosso coração, evidenciando-nos que ele está no controle da nossa vida.

José foi um jovem marcado pela injustiça. Sofreu o desprezo e o ódio dos seus irmãos, que o jogaram vivo em uma cova e o mataram no coração. Venderam-no como mercadoria barata para livrarem-se dele. Sustentaram durante vinte anos uma mentira para Jacó, dizendo que seu filho José havia sido devorado por uma fera do campo, a fim de que o pai desistisse de procurar o filho amado. No Egito, José sofreu outro golpe. Foi injustiçado pela sua patroa, que queria deitar-se com ele, mas José não cedeu aos seus apelos nem à sua pressão. Então, sentindo-se rejeitada, ela transferiu para José a culpa que era dela, jogando-o injustamente na prisão. Na cadeia ainda foi vítima de outra injustiça, a ingratidão do copeiro-mor de Faraó, que se esqueceu dele, não atendendo o seu apelo de rogar em seu favor junto ao supremo mandatário daquele poderoso império. Por esta causa, José ficou mais dois anos mofando na prisão.

Mas por que Deus deixaria uma pessoa inocente como José mofar na cadeia? Por que Deus não ouviu o clamor de José quando ele queria sair da prisão? Sabe por que Deus não realizou o sonho de José no tempo que ele queria?

Se José tivesse saído da prisão naquela época, o máximo que ele teria conseguido na vida seria trabalhar como lavador de copos no palácio de Faraó. Mas Deus o deixou mais dois anos na prisão para tirá-lo de lá e torná-lo governador do Egito. Quando parecia que Deus não estava fazendo nada para livrar José da prisão, ele, na verdade, estava construindo a rampa para José subir ao palácio de Faraó, para ser governador daquele vasto império.

Deus não realizou os sonhos de José, porque os sonhos dele eram muito pequenos. Os sonhos de Deus são sempre melhores e maiores do que os nossos. Importa que os sonhos de Deus, e não os nossos, sejam realizados. Os sonhos de Deus são perfeitos. Jamais se perdem nas curvas do caminho. Jamais se transformam em pesadelos.

6.3    Deus adia a concretização dos nossos sonhos para que entendamos que Deus faz todas as coisas no seu tempo e conforme o conselho da sua vontade

Deus é soberano. Ele está assentado na sala de comando do universo. Ele está com as rédeas da história em suas mãos. Ele dirige as nações. Ele domina sobre a natureza. Não permite que nem uma folha caia de uma árvore sem a sua permissão.

Deus age no seu tempo. Ele não se deixa pressionar. Ele é livre e soberano. Muitas pessoas querem determinar o que Deus deve fazer, como deve fazer e até mesmo quando deve fazer.

A resposta de Deus não vem segundo o nosso tempo, pela pres¬são da nossa agenda. Deus tem o seu tempo certo de agir. Ele, muitas vezes, protela os nossos sonhos para realizar coisas maiores em nosso favor. No calendário de Marta, Jesus havia chegado atrasado à aldeia de Betânia, quando Lázaro morreu. Mas Jesus não chegou atrasado, ele chegou no tempo certo. A ressurreição de um morto é um milagre maior do que a cura de um enfermo. Deus não chegou atrasado no mar da Galiléia na quarta vigília da noite. Em virtude daquela tempestade, os discípu¬los tiveram uma experiência mais profunda com Jesus e o adoraram (Mt 22.33). Deus não chegou atrasado à prisão de José. Ele estava edificando a rampa para José subir ao palácio de Faraó como governador. Deus não chegou atrasado na vida de Ana. Ele a deixou estéril para que ela o conhecesse e assim pudesse se preparar para ser a mãe do homem mais importante daquela época.

A majestade de Deus também reside no fato de que, quando Deus age, ninguém pode impedir a sua mão. Talvez os médicos de Rama já tivessem dado o último diagnóstico para Ana, tirando-lhe todas as esperanças de ser mãe. Sua doença era incurável. Todos diziam que ela precisava conformar-se com a sua situação irreversível. Mas Ana continuou crendo no Deus dos impossíveis. Ela não desistiu dos seus sonhos, mesmo em face das impossibilidades humanas. Ela creu e Deus fez o milagre!

Deus não deixou de agir milagrosamente em nossos dias. O tempo dos milagres não cessou. Deus não encolheu a sua mão. Ele não abdicou do seu poder. Ele pode tudo quanto ele quer. E, quando ele age, ninguém pode detê-lo. Os médicos podem lhe dar um diagnóstico final: “Não há cura!” Mas, se Deus quiser, existe cura.

7.  Conclusão

O mundo inteiro pode trombetear aos seus ouvidos dizendo: “A sua causa está perdida”. Mas, se Deus quiser, você triunfará. Os inimigos de Daniel pensaram que, quando o rei Dario acabasse de assinar o edito, Daniel estaria com a sua morte lavrada, mas não contaram com a intervenção sobrenatural de Deus para fechar a boca dos leões. Deus opera maravilhas. Ele continua curando enfermos, libertando cativos, dando vista aos cegos e transformando pesadelos em sonhos realizados.

E quando Ele adia um sonho é porque Ele está preparando algo maior. Pode ter a certeza que Deus está preparando um desfecho, um final mais glorioso para a história da sua vida.

7 thoughts on “Sermão: Quando Deus adia a realização dos nossos sonhos

  1. gostária de receber por e- mail mensagem como essa, deus adia realizaçãos dos nossos sonhos.gostaria de estudar a palavra de deus na mesma escola que você pr. graça e paz.

    Curtir

  2. Parabéns pelo belo, esplêndido e maravilhoso sermão.
    Lindo! Deus continue te abençoando poderosamente.
    Gostaria de receber por e-mail mensagens como essa.

    Curtir

Deixe sua mensagem

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s